O AMOR QUE NÃO SE MEDE | Paulus Editora

O Domingo
O AMOR QUE NÃO SE MEDE

Indicar a um amigo:





A solenidade da Santíssima Trindade nos envolve em um mistério profundo: o amor. Muito já se tentou explicar esse mistério. Ele, porém, é feito um poema: não se explica, sente-se. Deus é amor solidário e compassivo.

O Pai tomou a iniciativa de nos amar, apesar de nossas fraquezas; ele nunca desiste de suas criaturas. O Espírito Santo é o vínculo perfeito desse amor. Ele nos impele na vida a viver com entusiasmo. Em Jesus, o amor divino se plenificou em nós. Ele veio ao nosso encontro porque o amor é presença viva.

Estamos falando de um amor de verdade. Aquele amor que salva e jamais condena. Nada em nós é estranho a Deus. Seu amor por nós é entranhável, incalculável. Trata-se de amor que não se mede. É como água limpa de poço, nas fontes oásicas do sertão. Ali, quanto mais se tira a água, mais água brota em abundância. Na verdade, não há explicação que esgote o amor de nosso Deus. O perfeito exemplo de amor nos foi ensinado por Jesus Cristo. Ele passou pelo mundo fazendo o bem (At 10,38). O bem – o outro nome do amor – consiste nas pequenas coisas.

A atitude de ouvir, por exemplo, é um gesto de amor. Jesus sabia ouvir a todos, até aqueles que o perseguiam. Ele era o mestre da escuta. Para nós hoje, em um mundo tagarela e autocentrado, saber ouvir o outro transforma o mundo à nossa volta. Isso tem que ver também com nossas relações interpessoais. Na comunicação, temos a tentação de competir com o outro, como se nossa palavra fosse indispensável. Às vezes, até interrompemos o interlocutor, cortamos sua fala, para impor a nossa. A comunicação, porém, concretiza-se com o silêncio. Antes da palavra, há o silêncio, que gera a verdadeira comunicação.

A Trindade é o exemplo perfeito de comunicação que gera união, fraternidade, solidariedade para um mundo novo. Neste tempo tão incerto e obscuro que a humanidade atravessa, a comunhão perfeita da comunidade divina nos ensina a amar e a superar as indiferenças do mundo.

Pe. Antonio Iraildo A. de Brito, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar