PÃO PARTILHADO PARA SACIAR A FOME DA HUMANIDADE | Paulus Editora

O Domingo
PÃO PARTILHADO PARA SACIAR A FOME DA HUMANIDADE

Indicar a um amigo:





Ansiosos por celebrar a Páscoa, os discípulos queriam saber onde preparar o lugar para a grande festa, ignorando que aquela seria a última ceia que o Mestre partilharia com eles. Como não possuíam lugar próprio, pediram emprestada uma sala onde pudessem comer juntos a refeição. A ceia é sempre ocasião de íntima comunhão e alegria.

Durante a ceia, acontece a bênção e a partilha. Jesus certamente pressente o fim próximo e trágico, mas, no texto em questão, procura não dramatizar o que virá depois, convidando os discípulos a compreender o profundo sentido do que está sendo celebrado.

Durante a ceia, o Mestre abençoa e distribui o pão e o vinho, dizendo: “Tomai, isto é meu corpo e isto é meu sangue”. No pão e no vinho está a doação plena do Mestre. É o próprio Jesus que se oferece como comida e bebida – gesto repetido em todas as celebrações eucarísticas. Ele é o cordeiro pascal que se deixa imolar. Aproxima-se a hora em que se entregará para ser julgado e condenado.

Na festa do Corpo e Sangue de Cristo, celebramos a Eucaristia, momento de valorizar publicamente o grande sacramento que Jesus nos deixou. Comungando o Corpo de Cristo que se doa, somos levados a questionar nossa capacidade de doação em favor dos outros; em vez de nos isolarmos em nós mesmos, o convite é para que entremos em comunhão também com nossos irmãos e irmãs.

Ao partir o pão e o vinho, o Senhor nos ensina a partilhar com quem não tem o alimento para o sustento. Não podemos comungar tranquilos enquanto há pessoas passando fome. Esse drama atinge, cada vez mais, milhões de brasileiros. Ao longo da pandemia, testemunhamos muita solidariedade e partilha com os mais vulneráveis, mas também muita indiferença. Assim, chegamos à conclusão de que a fome existe não por falta de comida, mas por falta de solidariedade e partilha e por conta de opções políticas excludentes. A esse respeito, lembra-nos o papa Francisco: “A fome não é uma tragédia, mas uma vergonha para a humanidade”.

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar