Mês da Bíblia | Paulus Editora

Colunistas

Bíblia

27/09/2013

Mês da Bíblia

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





A partir do documento DEI VERBUM (palavra de Deus) do Concílio Vaticano II, houve enorme valorização da Bíblia. O concílio pede que a Igreja colocasse a Bíblia no centro de sua atuação pastoral, catequética, litúrgica. Segundo o documento, a Igreja sempre considerou a Escritura Sagrada “regra suprema de sua fé”. Os fiéis são convidados a se alimentar da palavra de Deus. Para isso, o concílio pede que se façam traduções esmeradas, a partir dos originais, nas línguas que o povo possa ler e compreender.

Com o incentivo do Vaticano II e a partir dele, surgiram no Brasil várias traduções confiáveis: umas mais aplicadas para o estudo, outras com linguagem mais acessível ao povo. O concílio ainda incentiva para que a Bíblia volte novamente às mãos do povo. Ela é propriedade da comunidade cristã. De fato aos poucos, a Bíblia foi encontrando outra vez seu espaço no seio da comunidade. As dioceses e as paróquias foram convidadas a promover o contato com a Escritura e propor a formação para os fiéis.

A partir do concílio, houve grande movimento em torno da Bíblia, isto é, houve grande despertar para com a Bíblia. Começam a surgir cursos bíblicos para os leigos, círculos bíblicos, semanas bíblicas, nasceu o CEBI (1979), que é o estudo popular da Bíblia.

Foi, portanto, desse grande movimento que nasceu também o MÊS DA BÍBLIA em 1971, em Belo Horizonte, por ocasião dos cinquenta anos da arquidiocese. Aos poucos, vai se espalhando em todas as dioceses do Brasil. A partir de então, cada ano a CNBB sugere um texto bíblico ou um livro da Bíblia para ser estudado durante o mês.

Portanto, setembro é conhecido, há muitos anos, como MÊS DA BÍBLIA. Setembro justamente pelo fato de que no dia 30 a Igreja comemora são Jerônimo, grande estudioso da Bíblia, que a traduziu para o latim, a chamada VULGATA. Ainda hoje usada como base na liturgia.

Este ano a CNBB nos propõe o estudo do Evangelho de Lucas, o evangelho do ANO C dentro do calendário litúrgico. O tema: “discípulos missionários a partir do evangelho de Lucas” e o lema: “alegrai-vos comigo, encontrei o que tinha perdido” nos colocam no espírito do Documento de Aparecida. O Evangelho de Lucas, como o conhecemos hoje, foi redigido pelos anos 80 DC e é o terceiro livro em ordem no Novo Testamento.

Alguns elementos importantes que nos levam a ter uma visão panorâmica do Evangelho de Lucas: 1) a salvação universal: todos são chamados à salvação que não pode ser vista apenas como prêmio do céu, mas a realização integral da pessoa aqui e agora; 2) Espírito Santo, presença marcante neste evangelho; 3) a misericórdia de Deus para com seu povo, de geração em geração; 4) mulheres são acolhidas por Jesus e marcam forte presença em Lucas; 5) oração: Jesus reza com frequência, ensina a rezar e pede oração.

3 comentários

Bíblia Concílio

7/9/2015

Manuela

Gostei dessas informações! Muito interessante, ainda não sabia sobre o mês da bíblia.

6/9/2018

Marluce Mendonça

Parabéns pelo maravilhoso conteúdo !!!

15/9/2019

Miriam de Fatima Moz de Moura

Sou Católica, praticante, catequista mas com todas formações que tive, observo que tem Comunidades que não preparam uma liturgia de acordo, mês da Bíblia, não vejo pelo menos na Comunidade que atuo nada sobre a importância devida a Bíblia, fizeram uma entronização no primeiro domingo de setembro, pusera numa mesinha aberta e pronto, já estamos a dois domingos depois e não vi mais nada a ser feito.