GESTOS QUE ALIMENTAM A ESPERANÇA | Paulus Editora

O Domingo
GESTOS QUE ALIMENTAM A ESPERANÇA

Indicar a um amigo:





A tragédia que se abateu sobre o povo, após a destruição de Jerusalém e do templo pelo Império Romano, estava na mente da comunidade do evangelista Lucas. A terra das promessas estava em ruínas e Jerusalém destroçada. Para o povo de Israel, essa tragédia abalou até os astros e a natureza. Em meio a tal realidade, o povo é convidado a levantar a cabeça e não desanimar, tendo o cuidado de não se deixar levar pela embriaguez da alienação.

Diante de tão grande destruição, o Evangelho nos aponta caminhos de reconstrução e renovação. Há um mundo que deve acabar: aquele contaminado pelo “deus dinheiro” e pelo “deus mercado”, que tanto marginalizam e matam. Em seu lugar precisa ser construído o “mundo do encontro”, da fraternidade e da solidariedade.

No início deste tempo do Advento, somos convidados a desfazer os caminhos que vêm impedindo a presença de Cristo e reconstruir novos. Para isso, cumpre-nos erguer a cabeça e perceber que o Filho de Deus irrompe na história humana, surgindo como sinal de libertação para a humanidade. No meio de uma sociedade envolvida em trevas, precisamos de muita fé e esperança para fazer brilhar a Luz que ilumina o mundo.

Nestes dois últimos anos, temos vivido tempos de angústia, dor e medo trazidos pela pandemia, que dizimou milhões de vidas no planeta. O Brasil foi um dos campeões de mortes, também em consequência do negacionismo e da rejeição do conhecimento produzido pela ciência. Quando o “deus mercado” domina uma sociedade, a vida das pessoas passa a valer pouco e vigora a lei do mais forte.

No entanto, ainda que imersos nessa realidade tão desumana, testemunhamos também muitos gestos anônimos de solidariedade e, particularmente, o empenho heroico dos profissionais da saúde – atitudes renovadoras da esperança. Assim, diante dos sinais de morte, somos todos convidados a resgatar os sinais do Advento: a busca de um futuro melhor e o começo de uma vida de amor que alcance a todos.

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar