26 de junho – 13º DOMINGO DO TEMPO COMUM | Paulus Editora

O Domingo – Palavra
26 de junho – 13º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Indicar a um amigo:





EVITAR ARMADILHAS NO SEGUIMENTO DE JESUS

Você já ouviu testemunhos de pessoas – por exemplo, de artistas e atletas – que contam como, em determinado momento, decidiram ir até o fim, independentemente das consequências, para alcançar seus objetivos? Suas aspirações exigiram que mobilizassem todo o seu potencial para concretizar seus sonhos. O Evangelho de hoje também nos mostra Jesus no momento em que decide partir para Jerusalém, ir até ao fim da sua vocação e missão. Há, porém, uma diferença nítida entre a escolha do Senhor e aquelas outras que mencionamos: a motivação por trás da decisão.

De fato, em Jesus, a motivação não é o interesse pessoal ou um sofisticado senso de superioridade. Trata-se, antes, do serviço humilde, constante e fiel. É experiência bem distante da realidade de alguns que se consideram iluminados porta-vozes de ideologias ou de radicalismos políticos e religiosos disseminados na sociedade. Portanto, somos convidados a nos pautar por uma motivação semelhante à de Jesus, para sermos verdadeiros discípulos e discípulas que seguem seu caminho e cumprem sua missão neste mundo. No entanto, o próprio Senhor nos adverte contra algumas armadilhas.

A primeira é a intolerância, ilustrada pela atitude dos apóstolos Tiago e João, que sugerem destruir os samaritanos (v. 54). Jesus não nos quer discípulos rígidos e fechados, que usam da violência e da imposição para fazer o que julgam ser o certo. Como segunda armadilha, ele aponta o apego desordenado aos bens deste mundo passageiro. Jesus não tem onde reclinar a cabeça. Mantém-se livre de tudo. Ele não quer que ninguém se precipite em seu seguimento, porque uma das exigências do discipulado é que todos estejam cientes da escolha feita. A terceira é a procrastinação – deixar tudo para depois –, como grande desculpa para não fazer nada agora. Nem os mortos nem a família podem vir antes dos compromissos do discipulado.

Jesus parece severo, mas está apenas nos pedindo, como seus discípulos e discípulas, o que ele exigiu de si mesmo: evitar essas armadilhas, mostrando-nos sempre disponíveis, capazes de renunciar às seguranças, e, iniciado o caminho, não voltar atrás, por motivo nenhum. Trata-se do compromisso incondicional com a obra salvadora de Deus, ao qual todos somos chamados.

Christian Dino Batsi, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar