Qual o seu grau de honestidade? | Paulus Editora

Colunistas

Tecnologia e Pastoral

05/01/2021

Qual o seu grau de honestidade?

Por Ednoel Amorim

Indicar a um amigo:





Estamos imersos em uma rede de informações que muitas vezes são-nos apresentadas como verdadeiras, mas, ou são completamente falsas ou apresentam a verdade mutilada, como um Frankenstein, uma verdadeira colcha de retalhos, na qual fica difícil discernir qual parte é verdadeira e qual parte é falsa. Não é preciso lembrar que essas notícias falsas beneficiam interesses de pessoas e grupos que ainda estão escondidos na obscuridade, no entanto é óbvio que existe um plano arquitetado para deixar a população cada vez mais na ignorância. Quanto menos educação e informações sólidas, melhor é para aqueles que pensam apenas em seus interesses.

O fim e o início de um ciclo, como o fim e o início de um novo ano, são uma boa oportunidade para criarmos ocasiões de reflexão sobre nossas posturas, pois, enquanto apenas reclamarmos da existência e da disseminação de notícias falsas estaremos apenas olhando para um lado da moeda do qual não podemos fazer muita coisa, pois ultrapassa o nosso controle. Já se olharmos para dentro de nós e para nossas escolhas cotidianas estaremos mirando um ponto totalmente controlável que se resume na supervisão de nossas escolhas.

Aqui, a proposta é muito simples. Reflita um pouco sobre estas perguntas: Qual o meu grau de honestidade? Sou realmente uma pessoa honesta? Posso orgulhar-me dos meus comportamentos corretos e justos?

Aí está um ponto do qual temos o total controle. Uma notícia falsa só vai para frente, só é compartilhada porque eu colaboro com sua divulgação. Em outras palavras, se as respostas às perguntas acima foram positivas, isso quer dizer que não podemos passar adiante uma notícia sem antes certificar a sua fonte, os fatos, enfim, sua veracidade. Portanto, somos capazes de medir a nossa honestidade na capacidade que temos de conferir uma informação e em nossa decisão de não compartilhá-la se não formos capazes de nos certificarmos da verdade, principalmente quando a mentira nos beneficia.

É o que estamos vendo em nosso tempo, quando a mentira contada tem que ver conosco, então conferimos, quando atinge ao outro, ou aqueles que não somos simpatizantes, então não conferimos e nos aproveitamos para disseminar. Não podemos continuar desse modo, precisamos tomar as rédeas desse processo, pois não podemos controlar a chegada, mas podemos interromper o fluxo da passagem. Que neste ano de 2021 possamos dizer: As fake news param aqui, não compartilho essa ideia!

nenhum comentário