PAULUS Editora sugere títulos para celebrar o mês vocacional | Paulus Editora

Notícias

30/07/2021

PAULUS Editora sugere títulos para celebrar o mês vocacional

Por Imprensa

Indicar a um amigo:





“Há um só corpo e um só Espírito, como também uma só é a esperança da vocação com que vocês foram chamados” (Efésios 4,4).

No mês de agosto, a Igreja Católica no Brasil celebra as vocações: sacerdotal, diaconal, religiosa, familiar e leiga. O mês vocacional foi assumido em âmbito nacional desde 1981, por dioceses, paróquias e comunidades. É um mês especial em que a Igreja reza pelas vocações e convida os fiéis a refletirem sobre a importância de todas as vocações para a missão da Igreja e para o anúncio do Evangelho em diferentes espaços. Na ocasião, a própria celebração litúrgica dedica cada domingo a uma vocação específica.

O primeiro domingo é dedicado aos ministérios ordenados, em vista que, no próximo dia 04 de agosto é celebrado o dia de São João Maria Vianney, o “Santo Cura d’Ars”, patrono dos padres. Este início do mês enfoca o sacramento da ordem, recebido no Diaconato, Presbiterado e o Episcopado. Pelas mãos do sacerdote, o povo de Deus recebe Jesus Eucarístico, sustento e alimento para a vida. Além disso, ao ministro ordenado compete a missão de ser pastor e orientador espiritual do povo a ele confiado.

Já no segundo domingo, junto ao Dia dos Pais, a Igreja celebra a vocação à vida matrimonial e, se inicia a Semana Nacional da Família. A vocação familiar é vista como uma missão importantíssima na formação de novos cristãos. Toda família têm a tarefa de zelar e educar seus filhos e filhas para serem bons cristãos e cidadãos, presentes e atuantes na construção de uma sociedade mais justa e fraterna, conforme orienta a Palavra de Deus.

No terceiro domingo, recorda-se o chamado e vocação à vida consagrada. Em especial, os religiosos, religiosas, consagrados e consagradas das diversas instituições religiosas e comunidades de vida apostólica espalhadas pelo Brasil são lembrados neste dia. A vida consagrada é a escolha para a vivência e experiência de uma vida nova em Cristo, uma experiência de renúncia às coisas do mundo. Os religiosos (as) abraçam uma vida de oração, pobreza, castidade e obediência, entre outras condições especificas de cada instituição que seguem de modo contemplativo ou missionário. Cada vocação aceita é uma resposta ao chamado de Deus e do Espírito Santo.

Por fim, o quarto domingo do mês de agosto comemora a vocação do cristão leigo. Entre eles, estão os catequistas, ministros da Eucaristia, ministros da Palavra, ministério dos músicos, agentes de pastoral e todos os leigos que se dedicam nos inúmeros trabalhos em suas dioceses, paróquias e comunidades. A vocação do leigo e sua dedicação à missão evangelizadora em diferentes atividades reforçam a unidade da Igreja, conforme a vontade de Deus. Em um mundo sedento de amor, justiça, paz, igualdade, fraternidade e sedento da Palavra de Deus, cada batizado é chamado a ser sal da terra e luz no mundo (Mateus 5, 13-16).

Para celebrar o início deste mês tão especial para a Igreja, a PAULUS Editora sugere algumas leituras para refletir, meditar e rezar sobre cada vocação. Além disso, o tempo é favorável para o discernimento pessoal, para aqueles desejam descobrir sua vocação no mundo e, sobretudo, o chamado à vida cristã. Confira!

Ser Sacerdote

 

Sacerdote é combinação de sacer (sagrado) e dhtos (fazer). Portanto, etimologicamente significa: “aquele que realiza cerimônias sagradas”. Aquele que administra as coisas do sagrado. O sacerdote é a pessoa inserida no sagrado. Tem verdadeira ligação com o mistério. É um mistagogo. É uma pessoa consagrada, enviada por Deus. Neste livro, o autor aborda a concepção sacramental – ontológica do ministro ordenado. Apresenta o sacerdote no sentido de sua existência ontologicamente configurada com Cristo. Revigora a índole essencialmente relacional do sacerdote: ele vive em Cristo, por Cristo e com Cristo ao serviço dos homens. Saiba mais!

Discernir o chamado: a avaliação vocacional

 

Toda vocação exige de quem a experimenta uma reflexão prolongada, uma decisão ponderada e uma opção perseverante. Tratando-se, além disso, de uma vocação cristã e eclesial, que é interpretada como chamado e convite de Deus, a pessoa tem de efetuar um discernimento espiritual, esforçando-se por perceber e entender a percepção recebida. Estas páginas abordam esse discernimento e o exame da vocação de especial consagração no ministério ordenado e na vida consagrada, oferecendo uma metodologia concreta para a avaliação vocacional. Saiba mais!

 

 

Amigos da Família

 

O livro “Amigos da Família”, escrito por Dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida (SP), traz uma reflexão sobre a importância da família observada como dom de Deus. Esta publicação tem por finalidade ajudar a família a caminhar e a encontrar-se com a misericórdia de Deus em meio aos desafios atuais. Saiba mais!

 

 

 

Os jovens, a fé e o discernimento vocacional: documento final da XV assembleia geral ordinária do sínodo dos bispos

 

 

“Os jovens, a fé e o discernimento vocacional foi o tema abordado na XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos bispos, realizada de 3 a 28 de outubro de 2018, em Roma. O documento relata a presença dos jovens como uma novidade: por meio deles, a voz de toda uma geração ressoou no Sínodo. Saiba mais!

 

 

Serviço de animação vocacional paroquial: subsídio de implantação, formação e atuação de agentes

 

Desde a Conferência de Aparecida, a Igreja da América Latina e Caribe tem acentuado seus trabalhos na busca de uma Igreja em estado permanente de missão. Nessa busca, tem-se dado ênfase para as paróquias, nos seus diversos trabalhos missionários, sobretudo, buscando fazer delas comunidade de comunidades, como bem refletiu a 51ª Assembleia dos Bispos do Brasil. Sem uma animação vocacional adequada, as paróquias estão fadadas a permanecer apenas numa pastoral de manutenção, sem despertar o ardor, ou a vocação missionária. Este subsídio visa ajudar na implantação e no desenvolvimento do Serviço de Animação Vocacional nas paróquias. Saiba mais!