BEM-AVENTURANÇAS: CAMINHO DA SANTIDADE | Paulus Editora

O Domingo
BEM-AVENTURANÇAS: CAMINHO DA SANTIDADE

Indicar a um amigo:





Jesus instrui seus discípulos com a proclamação das bem-aventuranças – a “carteira de identidade do cristão”, segundo o papa Francisco. O Mestre proclama felizes os pobres, os aflitos, os mansos, os que têm fome e sede de justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os que promovem a paz, os perseguidos por causa da justiça e do próprio Jesus.

Sua proposta a respeito da felicidade vai na direção contrária da mentalidade da sociedade, que procura viver outros valores. Jesus não elogia a miséria, a injustiça, a submissão, a violência, a perseguição. Ao invés, convida a sair dessas situações.

De fato, o termo hebraico para falar de felizes e bem-aventurados é ashrei. Entre outros significados, o termo expressa a saída de situações degradantes para alcançar vida com dignidade. As bem-aventuranças, portanto, não conclamam para o comodismo e para a indiferença.

Nesse sentido, cabe lembrar que o papa Francisco gosta de citar três palavras iniciadas com a letra “T”: terra, trabalho e teto. Terra para produzir alimento para as famílias; trabalho digno para suprir as necessidades fundamentais das famílias; teto para as famílias terem um aconchego e se protegerem das intempéries. Talvez esses sejam os grandes problemas enfrentados no tempo presente. As autoridades têm o dever de intervir em favor de quem carece dessas coisas, e a sociedade em geral – especialmente o povo cristão, consciente do chamado à santidade – também não pode ficar indiferente à sua situação.

Ultimamente, constata-se grande aumento de desempregados, de moradores de rua, de doentes; o caos na saúde pública, o descaso com a educação, o aumento das vítimas da violência… Como resposta, as bem-aventuranças propõem o caminho da santidade no mundo atual e proclamam felizes os que se empenham para superar essas realidades de morte e buscam dignidade e justiça a fim de que todos possam viver com o necessário para uma vida conforme os planos divinos. Isso não é comunismo, isso é Evangelho – como gosta de repetir o papa Francisco. Trata-se do Evangelho da justiça do Reino de Deus.

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar