Net-ativismo: acordemos a solidariedade em nós. | Paulus Editora

Colunistas

Tecnologia e Pastoral

05/05/2021

Net-ativismo: acordemos a solidariedade em nós.

Por Ednoel Amorim

Indicar a um amigo:





O contexto de pandemia, no qual vivemos há mais de um ano não só tira vidas em decorrência da contaminação viral, mas também rouba a dignidade das pessoas pela falta de assistência ou assistência minguada, que despendida às famílias mais vulneráveis por parte das autoridades públicas. As mortes e a fome em nosso país estão se agravando assustadoramente. O isolamento social promovido legitimamente para evitar o agravamento da Covid-19 não pode em hipótese alguma promover um isolamento humanitário.

Somos humanos e precisamos nos comportar como tais. A solidariedade é uma das marcas da humanidade que sempre me orgulharam como Igreja, mas também em outros seguimentos sociais. Apesar de não podermos fazer muito presencialmente, não é verdade que não existe nada que possa ser feito em outros âmbitos. Sim, podemos fazer muito por nossos irmãos mais necessitados e a internet possibilita essa ação.

Aquilo que chamamos de net-ativismo, ativismo digital ou ações sociais em rede é algo que devemos motivar enfaticamente. Enquanto pessoas passam fome, não podemos ficar de braços cruzados. Temos inúmeros exemplos para continuarmos acreditando no ser humano e acreditar sobretudo que podemos nos mobilizar e criarmos uma rede de solidariedade eficaz. Façamos de nossas mídias, seja o Facebook, o Instagram ou outras, um espaço (ciberespaço) onde a solidariedade possa ser despertada em nós e possa se espalhar e contagiar a outras pessoas, para que em nossas cidades se localizem as situações de risco e possam ser ajudadas com rapidez. Uma única postagem pode salvar vidas. Façamos essa corrente do bem crescer. Se antes isso era algo extremamente importante de ser praticado, hoje quando a situação é calamitosa e beira ao caos precisamos nos mobilizar em caráter de urgência.

A Covid-19 já se tornou um mal terrível, não permitamos que a fome torne-se outra calamidade na vida de nossas famílias.

nenhum comentário