Memória de São Maria Vianney, o Cura D’ Ars, e Dia do Padre | Paulus Editora

Notícias

04/08/2021

Memória de São Maria Vianney, o Cura D’ Ars, e Dia do Padre

Por Imprensa

Indicar a um amigo:





Nesta quarta (04/08), a Igreja do Brasil celebra a memória de São João Maria Vianney e o Dia do Padre. Na ocasião, a data convida os fiéis, a exemplo de São João Maria Vianney, a rezarem pelas vocações sacerdotais.  O dia dedicado ao sacerdote é comemorado desde 1929, quando o Papa Pio XI proclamou São João Maria Vianney como o padroeiro dos padres.

Criado na zona rural, São João Maria nasceu em 08 de maio de 1786, no vilarejo de Dardilly, cidade francesa ao lado de Lyon. Seus pais, Mateus e Maria, notaram desde a sua infância o grande interesse que o garoto expressava pela oração e pelo serviço na Igreja. Além disso, ele sempre relatava o desejo de ser padre. Em meio às dificuldades de sua época, os ensinamentos das orações foram aos poucos sendo inseridos, graças ao apoio materno. Com apenas 17 anos, João sentiu-se chamado definitivamente para o sacerdócio. Ele dizia “Se eu fosse padre, queria conquistar muitas almas”.

Entretanto, a tarefa não era tão simples, devido aos poucos recursos e conhecimentos que possuía, ele precisou contar com o apoio de alguns sacerdotes.  Por sua persistência, recebeu o sacramento da ordem em 13 de agosto de 1815. Desde sua ordenação, exerceu o ministério sacerdotal com êxito, especialmente em Ars, povoado francês, ao norte de Lyon. São João tornou-se um padre caridoso, amoroso e muito dedicado aos pobres. Ele modificou a vida de muitas pessoas por seu testemunho e amor ao sacerdócio. Por uma vida de entrega ao serviço de Deus, São João Maria Vianney faleceu aos 73 anos de idade, em 04 de agosto de 1859. Em 1905, foi beatificado e declarado padroeiro dos sacerdotes da França por São Pio X. Em 1925, Pio XI o canonizou, no mesmo ano em que também foram canonizadas duas outras glórias da Igreja da França: Santa Teresinha do Menino Jesus e Santa Joana d’Arc. Em 1929, foi declarado padroeiro de todos os párocos do universo por Pio XI.

O dia também recorda a importância dos padres para a Igreja. Os padres são exemplos de entrega e doação ao serviço do Reino. Na obra “Ser Sacerdote”, Dom Edson Oriolo, bispo da Diocese de Leopoldina – MG, ressalta que o sacerdote continua sendo uma figura muito importante na sociedade contemporânea.  Um homem que escolhe ter Cristo como mestre e modelo para sua vida e transcende essa realidade amando e servindo o Povo de Deus nas comunidades cristãs. O bispo lembra que os padres são verdadeiros servidores da alegria do Evangelho e, também, passam por inúmeras dificuldades como o desgaste físico e emocional, solidão, envelhecimento, entre outros.

Ser padre é ser pai e pastor do rebanho confiado por Deus, pelas mãos do sacerdote, Jesus Eucarístico se faz presente no meio do seu povo.  Por essa razão, a Igreja ressalta a importância do sacerdote e convida a rezar pelas vocações sacerdotais. Para celebrar a data, a PAULUS aponta algumas sugestões de leitura que ajudam a refletir o tema. Confira!

Sermões de São João Maria Vianney, O Cura D’Ars vol I: Sermões do Primeiro Domingo do Advento à Sexta-feira Santa

 

Parte da coleção “Clássicos do Cristianismo”, este livro traz a maior parte dos sermões de São João Maria Vianney, o Cura D’ Ars (1786-1859). A obra apresenta os primeiros anos; a juventude e vocação; o caminho para o sacerdócio; a trajetória em Arns, a morte e santificação e, especialmente, os Sermões do Primeiro Domingo à Sexta-feira Santa de São João Maria Vianney, que utilizava de muita oração, da catequese e se consumia de amor pela Eucaristia e pela salvação das almas de Ars. A maior parte dos sermões foi escrita entre 1818 e 1827, no início de seu ministério sacerdotal e antes dos grandes trabalhos suscitados pela multidão de peregrinos que o procuravam em Ars. Ele os escrevia durante a noite, na sacristia, onde passava horas num trabalho que muitas vezes lhe causava grande sofrimento.  Saiba mais!

 

Ser sacerdote

 

O livro “Sacerdote” dedica-se ao estudo e reflexão sobre o ministério e a vida dos presbíteros. A palavra “sacerdote” é a combinação de sacer (sagrado) e dhtos (fazer). Portanto, etimologicamente significa: “aquele que realiza cerimônias sagradas”, aquele que administra as coisas do sagrado, é a pessoa inserida no sagrado, tendo verdadeira ligação com o mistério. É um mistagogo, uma pessoa consagrada, enviada por Deus. Neste livro, o autor aborda a concepção sacramental do ministro ordenado. Apresenta o sacerdote no sentido de sua existência, ontologicamente configurada com Cristo. Revigora a índole essencialmente relacional do sacerdote: ele vive em Cristo, por Cristo e com Cristo ao serviço dos homens. Saiba mais!

 

Espiritualidade do Padre Diocesano

 

 

O livro Espiritualidade do Padre Diocesano, escrito por Fernando Lorenz e pelo padre Humberto Robson de Carvalho, deseja colaborar com os presbíteros diocesanos, diáconos transitórios ou seminaristas, por meio do aprofundamento sobre a espiritualidade do padre diocesano à luz da espiritualidade do próprio Jesus Cristo, eterno Sacerdote por excelência. Esta obra enfatiza que a espiritualidade do padre diocesano fundamenta-se em Jesus Cristo, o Bom Pastor, como modelo da caridade pastoral. Na paróquia, ele desenvolve esta predileção amorosa com o povo de Deus, na graça do Espírito Santo. Saiba mais!

Homilia: formação e arte de comunicar

 

 

A obra “A homilia”, escrita por Pe. Guillermo Daniel Micheletti, é parte da coleção “Liturgia e Pastoral”. O livro é inspirado na exortação Evangelii Gaudium, da qual provêm importantes luzes sobre a homilia, chamada de “ação privilegiada da Liturgia da Palavra”. Esta publicação traz sugestões e motivações para quem deseja se tornar um “homiliasta”, ou seja, um pregador exímio da Boa-Nova de Deus. Trata-se de um ministério de grande exposição, responsabilidade e de profundo interesse para o Papa Francisco. Saiba mais!

 

Reflexões sobre o sacerdócio: carta a um jovem padre

 

 

Ao longo das páginas deste livro, cada sacerdote acolherá o convite a refletir sobre o dom de Deus: encontrará motivo para sério exame de consciência, a fim de tomar decisões e se entregar com maior confiança nas mãos de Deus e da Igreja. Quem não é sacerdote aprenderá deste escrito a conhecer melhor as dobras do coração de um padre, a ponto de poder ajudá-lo a cumprir fielmente o ministério que lhe é confiado. Saiba mais!

 

A missa: explicada parte por parte

 

Crer e compreender não são coisas opostas. Quando cremos, sentimos necessidade de dar razão à nossa fé, ou seja, dizer por que cremos. Quanto mais compreendermos os fundamentos de nossa fé, mais aptos estaremos para vivenciar, celebrar e testemunhar aquilo que cremos. Amamos mais aquilo que conhecemos mais. Sem conhecer não é possível amar. Aí está o objetivo deste livro: ajudar a conhecer para amar. É um texto para os que desejam entender o núcleo de nossa fé. Saiba mais!