7 de janeiro: Epifania do Senhor | Paulus Editora

O Domingo
7 de janeiro: Epifania do Senhor

Indicar a um amigo:





ACOLHER OU REJEITAR O PROJETO DE DEUS

Mateus continua a descrever, à luz da Escritura, os acontecimentos da infância de Jesus, já não focando os judeus, mas os pagãos (magos). São estes que reconhecem e anunciam a chegada do rei Messias. Diante da notícia, o tirano Herodes – sempre preocupado com possíveis pretendentes ao seu trono – e parte da população de Jerusalém ficam perturbados. O rei convoca os letrados para se informar melhor sobre o acontecimento e procura convencer os magos a dar-lhe dicas detalhadas a respeito do menino e do local do nascimento.

No relato de Mateus, percebemos claramente duas posições diante do nascimento de Jesus: o império de Herodes e a elite de Jerusalém que se opõem, tentando destruir os planos de Deus; os itinerantes magos, pagãos que não detêm o poder, abraçam os planos divinos e presenciam o amanhecer da nova era.

Desde o nascimento, Jesus manifesta-se como sinal de contradição: é fonte de alegria para seus admiradores; é motivo de perturbação e alvo de ódio para quem, fechado no próprio egoísmo, tem medo de que sua vinda acarrete a perda de privilégios. É um cenário tenso, que marca toda a atividade de Jesus, até chegar à cruz, mas sem terminar aí, pois ainda hoje os adversários dele tentam abortar suas propostas.

A palavra epifania deriva do grego e significa a “manifestação de Deus aos povos”. Sua manifestação tem como primeiras testemunhas um grupo de pagãos (os magos). O recém-nascido, frágil e indefeso, dá-se a conhecer a um grupo de desconhecidos que, guiados pela estrela, chegam até ele para adorá-lo. Temos de celebrá-lo também nós e sentir, no fundo do coração, a mesma alegria que os magos sentiram.

Deixemos que a estrela ilumine também nosso caminho e nos guie na busca do rei dos judeus. Seguindo a “estrela de Belém”, seremos capazes de enfrentar e superar os Herodes atuais que procuram impedir que o reinado de Deus se estabeleça na sociedade.

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar