A CEIA DA NOVA ALIANÇA | Paulus Editora

O Domingo – Palavra
A CEIA DA NOVA ALIANÇA

Indicar a um amigo:





Jesus celebra sua última ceia com seus apóstolos. Está bem consciente de que chegou a hora de sua paixão-morte-ressurreição. Em pensamento, ele repassa todo o bem realizado em benefício do povo. Sabe que cumpriu fielmente a vontade do Pai. Então, ao grupo reunido revela seu profundo anseio: “Desejei ardentemente comer com vocês esta ceia de Páscoa, antes de sofrer” (Lc 22,15).  Jesus dá novo rumo, novo sentido à história da salvação. Com ele, termina a Antiga Aliança (Antigo Testamento), que celebrava a libertação do povo de Israel da escravidão do Egito, e começa a Nova Aliança (Novo Testamento), a qual realiza a nossa libertação do pecado. Na Antiga Aliança, sacrificava-se um cordeiro; na Nova Aliança, quem se sacrifica é o próprio Jesus, o “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29).

Na última ceia, Jesus se entrega a Deus por nós mediante o pão e o vinho. Faz do pão o seu corpo (“Isto é o meu corpo, que é entregue por vocês, façam isto em memória de mim”) e faz do vinho o seu sangue (“Tomem isto e façam passar entre vocês… Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vocês”). Com isso, Jesus acaba de instituir a Eucaristia: refeição espiritual para os cristãos de todos os tempos (“Todas as vezes que vocês comem deste pão e bebem deste cálice, anunciam a morte do Senhor até que ele venha” – 1Cor 11,26) e sua presença transformadora na sociedade  (“O pão que eu vou dar é a minha carne, para que o mundo tenha a vida” – Jo 6,51).

Com o gesto revolucionário do lava-pés, Jesus reafirma o que sempre ensinou: “Quem de vocês quiser ser o primeiro seja o servo de vocês” (Mt 20,27);  “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir” (Mc 10,45). Assim é a comunidade de Jesus: comunidade de servidores. O serviço é a expressão concreta do amor: “Amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês” (Jo 15,12).

Com a ceia da Nova Aliança, Jesus confiava a seus apóstolos, e a nós, o testamento espiritual mais importante de sua vida: sua morte pela redenção da humanidade, sua incessante e eficaz presença entre nós, estímulo para a fraternidade, ousadia para denunciar as injustiças e incentivo para evangelizar o mundo inteiro.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar