Colunistas

Bíblia

02/10/2013

Informações gerais sobre a Bíblia

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





1. A origem da palavra é o termo grego bíblia (plural de biblios = livro). Portanto, a Bíblia é, antes de tudo, uma coleção de livros. De fato, se fizermos um exame minucioso, veremos o grande número de livros nela inseridos, o que a torna comparável a uma biblioteca, uma coleção de livros diversos. Essa minibiblioteca, chamada Bíblia, possui 73 livros. Acredito que não são muitos os brasileiros que possuem uma biblioteca de 73 livros, mas, em compensação, a maioria possui a Bíblia; portanto, é uma bela biblioteca que têm à disposição. Reunindo livros de diversas épocas, a Bíblia demorou mais de mil anos para ser escrita e abrange mais de 2 mil anos de história, além de uma diversidade de gêneros: novelas, relatos históricos, poesias, narrativas…

2. A Bíblia dos católicos tem algumas diferenças em relação à Bíblia dos protestantes ou evangélicos. A dos católicos possui alguns livros a mais, porque inseriu em seu cânon (lista) alguns livros que não se encontram na Bíblia Hebraica, que constitui a base do Primeiro Testamento e é adotada pelas Bíblias em geral. Em relação à Bíblia Hebraica, a dos católicos contém sete livros a mais, são os chamados “livros deuterocanônicos” – espécie de segunda lista que se somou à hebraica. São eles: Judite, Tobias, 1 e 2 Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc e algumas passagens de Ester e Daniel.

3. Além dos canônicos e deuterocanônicos, existem os apócrifos, escritos contemporâneos aos anteriores que, porém, não se encontram nas Bíblias católicas nem nas evangélicas. O termo deriva também de uma palavra grega (apokryphos) que significa “escondido, não revelado”. Os apócrifos não foram muito valorizados pela Igreja católica, mas trazem muitas informações importantes, sobretudo para conhecer as primeiras comunidades cristãs. Por exemplo, muitas devoções a Maria, mãe de Jesus, derivam dos apócrifos. Hoje em dia, são muito valorizados pelos estudiosos da Bíblia.

4. O tripé do estudo da Bíblia: texto, contexto, vida. Essa é a proposta de Carlos Mesters para o estudo “popular” da Bíblia. Para bom entendimento da Bíblia, é necessário levar em conta: a) texto: a Bíblia em si, a palavra escrita; b) contexto: realidade onde nasceu o texto; c) vida: realidade nossa de hoje. Se levarmos em conta apenas o estudo do texto, temos o que os estudiosos chamam de exegese, mas, se unirmos os três elementos (texto, contexto, vida), a mensagem bíblica iluminará mais intensamente nossa caminhada. Em outras palavras, isso significa atualizar para nossos dias a mensagem escrita milênios atrás.

7/10/2013

Maria Oliveira

Explicação maravilhosa!

7/10/2013

Clovis

Diante de uma explicação tão precisa e concisa, gostaria de saber qual a diferença (ou diferenças) entre a Bíblia católica e a grega, também chamada Septuaginta. Grato

11/10/2013

Administrador do Site

Em poucas palavras, não há diferença entre a bíblia católica e a grega (septuaginta),a católica apenas contém alguns livros a mais. A septuaginta é a tradução para o grego da bíblia hebraica. Com a ascensão de Alexandre Magno, a língua e a cultura gregas tomaram conta de parte do Ocidente e parte do Oriente. Com isso, ouve a necessidade de traduzir a bíblia hebraica para o grego.

12/10/2013

Severino Barboza Lopes

Nilo Luza: Sou assinante da Liturgia Diária e adepto do Semanário Litúrgico Catequético O Domingo, conferindo-me a condição de parabenizá-lo, juntamente com a equipe de produção de ambas as publicações, pela qualidade e foco dos temas abordados. Acessando o texto "Informações Gerais sobre a Bíblia" e o anterior ", "Deus se comunica com a humanidade", senti a necessidade de compartilhar minha alegria pelo acréscimo de informações/conhecimentos sobre a "Comunicação de Deus para conosco", em linguagem acessível e, atendendo o anseio de uma grande amiga e companheira, proceder o seguinte questionamento: - os escritor originais foram processados em que meios físicos? guardados por quem, e onde? quem e em que época foram compilados? Atualmente, como e onde os pesquisadores(as) acessam estas informações e/ou moldes originais?