Em outubro, a Igreja volta seu olhar para a vocação missionária de todos os cristãos batizados | Paulus Editora

Notícias

08/10/2021

Em outubro, a Igreja volta seu olhar para a vocação missionária de todos os cristãos batizados

Por Imprensa

Indicar a um amigo:





Em 1926, o Papa Pio XI, ao instituir o mês de outubro como o mês missionário, desejava destacar a vocação de todos os cristãos, chamados ao serviço de Evangelização. Para este ano, a mensagem do Papa Francisco tem como tema “Não podemos deixar de afirmar o que vimos e ouvimos”, inspirado em At 4, 20.

Ser missionário é trilhar um caminho repleto de desafios, mas que segue em consonância com as palavras do próprio Jesus Cristo: Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado (Mt 28, 19-20). Portanto, estar em missão é fazer ressoar a voz do próprio Cristo Ressuscitado que orienta os seus seguidores de “ontem e hoje”, a estar sempre em postura missionária, com um olhar misericordioso e benevolente para as pessoas carregadas de necessidades físicas e espirituais, sobretudo, para àqueles que têm sede de Deus.

Para Irmã Elisabeth Miguel Espinhara, Missionária de Maria Xaverianas e Coordenadora do Conselho Missionário Estadual do Regional Sul 1 da CNBB (COMIRE), o mês de outubro acentua a vocação essencial da Igreja. “O mês missionário é como um grande retiro durante o ano, para que a Igreja refaça, atualize a sua opção missionária, e dentro desta, haja um olhar mais incisivo à missão ad gentes”, recorda.

Desde o início de seu pontificado, o Santo Padre orienta constantemente os cristãos batizados a serem uma “Igreja em Saída”, uma Igreja próxima de todas as pessoas, sem distinção de cor ou raça. Ao mesmo tempo, Francisco instiga e lança um desafio diário: estar próximo às pessoas, sair da comodidade em que muitas vezes o cristão está habituado. “Hoje, Jesus precisa de corações que sejam capazes de viver a vocação como uma verdadeira história de amor, que os faça sair para as periferias do mundo e tornar-se mensageiros e instrumentos de compaixão”, exclama o Pontífice na mensagem deste ano.

Na Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium – A Alegria do Evangelho: sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual”, o Papa Francisco também enfatiza que com obras e gestos, a comunidade missionária deve entrar na vida diária dos outros, para encurtar as distâncias, “abaixar-se – se for necessário – até à humilhação e assumir a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo”. Na orientação do Sumo Pontífice, cada cristão batizado deve discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, entretanto todos são convidados a aceitar esta missão.   “Ser missionário é ser um apaixonado por Jesus Cristo e pelo seu povo. É estar presente onde o povo está”, afirma Irmã Elisabeth. A coordenadora do COMIRE recorda que é possível ser missionário de diversas formas: rezando pela missão, contribuindo nas doações solidárias, e, se necessário, partindo em missão, “para encontrar um outro povo diferente do meu e partilhar com ele a minha fé, e, igualmente deixando com que a fé dele ilumina a minha”, conclui a religiosa.

Para celebrar o mês missionário, a PAULUS Editora indica títulos que aprofundam o caráter missionário do cristão batizado e dão orientações para as pastorais e movimentos. Confira:

Missão para todos – Introdução à missiologia

 

A obra pretende, na simplicidade, ajudar as pessoas de boa vontade, agentes pastorais e de movimentos, jovens e crianças (Infância Missionária), presbíteros e religiosos, Comunidades Eclesiais, casas de formação religiosa, seminaristas e estudantes de Teologia a continuar descobrindo o sentido da missão e da missiologia, a viver a espiritualidade missionária e a conhecer a caminhada da organização missionária da Igreja, no Brasil e na América. Saiba mais.

 

 

Pastoral da visitação – Paróquia em estado permanente de missão

 

Como parte da coleção Organização Paroquial, o livro “Pastoral da visitação – Paróquia em estado permanente de missão”, de Padre José Carlos Pereira, responde ao desafio de ser uma  Igreja missionária, apresentando estratégias concretas para as comunidades eclesiais, como a preparação de agentes para atuar na pastoral da visitação, as demandas da paróquia, o campo de ação da pastoral da visitação, a preparação espiritual e pastoral dos agentes e os procedimentos necessários para a realização das visitas missionárias, além de fornecer dicas valiosas para aplicar no momento em que ocorrerem. Saiba mais.

 

Igreja Missionária nas casas e os desafios do mundo urbano

 

 

A publicação “Igreja Missionária nas casas e os desafios do mundo urbano” busca ser um subsídio facilitador da leitura e compreensão das Diretrizes para a Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) para quadriênio 2019-2023. A obra é indicada para padres, administradores paroquiais, religiosos/as, catequistas, agentes de pastoral e pessoas envolvidas com o cotidiano diocesano e paroquial. Saiba mais.

 

Paróquia missionária – Projeto de evangelização e missão paroquial na cidade

A Igreja Católica, por escolha de Jesus, nasceu missionária e desenvolveu-se no vigor da missão. Os apóstolos compreenderam essa escolha de Jesus e saíram em missão. O Papa Francisco sonha que o vigor da missão retorne, ou seja, que todos os agentes de pastoral tenham uma atitude constante de “saída”, para que as pessoas, até o momento distantes da comunidade, tenham a oportunidade de compartilhar da amizade com Jesus. Esta obra apresenta uma metodologia que vem nos ajudar a cumprir o mandato de Jesus de evangelizar e realizar o sonho do Papa Francisco de transformar a comunidade paroquial numa comunidade missionária, pois sabemos que “Deus quis na cidade fazer a sua morada” (cf. Sl 47,9). Saiba mais.

 

Oi de casa! – Igreja missionária, Igreja em saída, Igreja que visita

Escrito por Pe. Aldino José Kiesel, OSFS, o livro “Oi de casa! – Igreja missionária, Igreja em saída, Igreja que visita” tem o objetivo de convidar e acolher, e para isso, oferece a Bíblia como fonte inspiradora para rever a qualidade das visitas. Ao todo são 19 capítulos que buscam evidenciar que a Igreja deve estar em missão sendo uma Igreja que visita. “Visitar, acolher, encontrar-se, recomeçar: a Sagrada Escritura é uma fonte inspiradora para rever a qualidade de nossas visitas. A intenção aqui é convidar você, leitor(a) a visitar a Bíblia com esta chave de leitura: a visita de Deus como inspiração para a eficácia de nossas visitas”, explica o autor. Saiba mais.