27. Livro dos Provérbios | Paulus Editora

Colunistas

Bíblia

11/05/2021

27. Livro dos Provérbios

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





“Provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel” (1,1). Foi atribuído a Salomão por causa da sua fama de sábio. Provérbio é uma forma típica da sabedoria popular. Por isso, o livro é anônimo, isto é, não tem um autor determinado. O livro dos Provérbios são coleções de conselhos e instruções populares de épocas diversas. É fruto do trabalho dos sábios profissionais da corte, que recolhem da sabedoria do povo e a registram por escrito. Esse livro é o mais representativo dos sapienciais bíblicos. Engloba a sabedoria popular, mesmo que estilizada pelos sábios, e a sabedoria de escola.

Ao ler o livro dos Provérbios, podemos nos surpreender quando lemos: “Provérbios de Salomão, filho de Davi” (1,1), mais à frente: “Provérbios de Salomão” (10,1), adiante lemos: “Escute com atenção as palavras dos sábios” (22,17), “também estas são palavras dos sábios” (24,23). Isso revela que o livro dos Provérbios tem uma longa caminhada antes de chegar como o temos hoje, vai desde o tempo de Salomão até o pós-exílio.

Os nove primeiros capítulos (1-9) foram reunidos quando foi feita a compilação final de todas as coleções existentes. Recomenda o estudo da sabedoria de Israel. Propõe ajudar as pessoas a se tornarem sábias e assim discernir o próprio caminho. Deseja contribuir para a formação do espírito crítico, para discernir de forma sábia diante dos caminhos que a vida oferece. Numa sociedade sem reis e poucos profetas, a sabedoria desempenha como que o papel profético e messiânico. Ela é personalizada como profetisa. Sendo a primeira criatura de Deus, a sabedoria vai governar o povo. Feliz o povo que se deixa conduzir por ela.

Os próximos doze capítulos (10-22) são apresentados como “provérbios de Salomão”, patrono da sabedoria de Israel. Esses provérbios procuram orientar o povo em suas relações cotidianas, numa sociedade em que a convivência humana apresenta muitos problemas. Diante de cada situação é preciso fazer uma opção. Procuram ajudar no discernimento que cada pessoa é chamada a fazer: pelo caminho da justiça (vida) ou pelo da injustiça (morte).

Uma segunda preocupação tem em vista principalmente a formação da nobreza que exerce funções administrativas na corte de Jerusalém. Parece mais um manual de pedagogia para altos funcionários, cujo tema central é o discernimento da justiça nas relações sociais. O cunho religioso é muito forte, muitas referências a Deus, é ele que guia a história.

Em seguida (22,17-24,34), o livro apresenta sentenças dos sábios reunidas provavelmente no tempo do rei Salomão, inspiradas na sabedoria egípcia, mas recebe modificações e acréscimos para dar uma perspectiva de fé israelita. São instruções que um pai ou ancião oferece aos mais jovens, para que, aprendendo com a experiência dos mais velhos, se eduquem na sabedoria.

Os capítulos seguintes (25-29) também são conhecidos como “provérbios de Salomão” reunidos no tempo do rei Ezequias. As escolas reais compilaram e recolheram provérbios do tempo de Salomão, reunindo numa mesma coleção a sabedoria popular do reino do sul (Judá) e do reino do norte (Israel). São provérbios dirigidos ao povo em geral, com imagens concretas para exortar a viver sabiamente em sociedade e provérbios destinados à formação dos altos funcionários da corte. Espécie de manual a ser utilizado nas escolas de sabedoria.

Os dois últimos capítulos (30-31) trazem algumas sentenças de Agur: grandeza de Deus e do universo; ter o suficiente para uma vida digna; espanto diante das pessoas injustas. Algumas sentenças de Lamuel, que, recebidas de sua mãe, recomendava não se envolver com mulheres interesseiras e se abstenha de vinho para não descuidar do direito dos pobres.

Por fim, o autor anônimo faz um poema relacionado com as atividades da mulher. O autor não elogia a mulher em si, mas enquanto boa esposa, boa mãe e boa dona-de-casa. Traços fortemente marcados pela cultura patriarcal, machista. Podemos ver também na mulher uma metáfora para se referir à sabedoria. Nesse sentido, a sabedoria é como a mulher de valor para todas as pessoas.

nenhum comentário