Profetas Bíblicos - Oseias | Paulus Editora

Colunistas

Bíblia

09/02/2015

Profetas Bíblicos – Oseias

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





Praticamente contemporâneo de Amós, surge Oseias profetizando também no reino do norte, Israel, durante os últimos anos do reinado de Jeroboão II (783-743 AC) e dos turbulentos anos que antecederam a queda da Samaria (721 AC). Pouco sabemos sobre Oseias; sabemos, porém, que ele era nortista e de posição social mais elevada que Amós.

Oseias identifica o pecado do povo como “prostituição”.

Para isso, ele utiliza uma experiência pessoal de fracasso no casamento. Se não for uma criação literária, seu casamento conheceu a decepção quando sua mulher, Gomer, o abandona e se entrega provavelmente a “prostituição sagrada”. Mas ele a amava de fato e, quando ela volta, a recebe e a perdoa.

A dolorosa experiência do profeta torna-se símbolo do comportamento de Javé para com seu povo.

Deus ama Israel, mesmo sabendo que este nem sempre consegue ser fiel.

Em cima disso, o profeta constrói sua obra, procura mostrar que aquela situação difícil em que o povo vive tem como causa a idolatria, assim resta ao povo converter-se ao Senhor, que perdoa porque ama.

Deus desposa Israel, que se comporta como uma mulher infiel, como uma prostituta, que provocou a ira e o ciúme de seu esposo divino, o qual não deixa de amá-la e a castiga para que volte à alegria do seu primeiro amor.

Toda mensagem do profeta tem por tema fundamental o amor de Javé desprezado por seu povo.

Oseias foi o primeiro a escrever sobre a relação de aliança de Javé com seu povo como um casamento. A aliança entre Deus e Israel é comparada ao contrato matrimonial entre o homem e a mulher. Mais que o contrato em si, o profeta explora o aspecto do amor do esposo para com sua esposa. Isso foi facilitado pela própria experiência do profeta. O Senhor foi traído pela esposa infiel (povo) que se entregou ao adultério e à prostituição.

Assim Oseias denuncia todo tipo de idolatria, chamando-a de prostituição. Isso influenciou grandemente os escritos posteriores do Antigo Testamento. A prostituição de que fala o profeta não consiste apenas em adorar imagens de ídolos; mais do que isso, significa fazer alianças políticas com potências estrangeiras que provocam dependência, exploração e opressão. Significa também depositar a confiança nas riquezas e praticar todo tipo de injustiças.

O profeta não fica só na denúncia e condenação, mas anuncia também o amor fiel e misericordioso de Deus para com seu povo. Mesmo que o povo não consiga se manter sempre fiel, Deus não o abandona, mas demonstra seu carinho e o perdoa, tratando-o como filho.

nenhum comentário