O Domingo – Palavra
ALERTAS E DE PRONTIDÃO!

Indicar a um amigo:





Iniciamos a caminhada litúrgica do Advento: tempo propício de abrir o coração para a chegada de Deus que vem; tempo de preparação para o Natal do Senhor. A celebração litúrgica deste domingo é, ao mesmo tempo, apelo à manifestação gloriosa do Senhor e exortação à preparação para sua vinda, seguindo os passos de Jesus.

A primeira leitura mostra a situação do povo de Deus, que, passando pelos sofrimentos da reconstrução da vida comunitária e tendo de lidar com o peso dos muitos fracassos, se sente abandonado e desamparado. Ao sentir o silêncio de Deus, cresce o desalento, que se torna acusação. Como se em Deus recaísse a culpa pelos erros e escolhas equivocadas do povo.

Mas é nos meandros da história que se reconhece como Deus, feito oleiro, vai modelando misteriosamente a vida e os caminhos daqueles que permanecem fiéis à sua Palavra, sustentados pela esperança nele, que nunca abandona seu povo. O silêncio de Deus é somente aparente, pois, na verdade, Ele continua a falar ao coração e a guiar o caminho de seus filhos e filhas.

Guiados pelo silêncio operante de Deus, seus filhos e filhas seguem na esperança da manifestação definitiva do Cristo Jesus. Os olhos brilham com essa promessa, e o coração se enche de alegria nessa expectativa. Não bastam, porém, enlevamento e exaltação. A espera pelo encontro com o Senhor é uma espera ativa, que, ajudando a superar as dores e as angústias, impulsiona um agir coerente com a vontade divina: trata-se da vigilância evocada por Jesus no Evangelho.

Vigiar, portanto, não significa estagnar em uma espera passiva e até exaustiva, ignorando tudo e todos ao redor. Vigiar é a atitude consciente de quem se sente participante e responsável da administração dos bens que o próprio Jesus deixou aos nossos cuidados, até seu retorno definitivo. Nessa perspectiva, os dons que Deus dá a cada um se tornam serviço em favor do mundo e da humanidade: os verdadeiros bens que ele nos confia.

Reconhecendo nossa incompletude e fragilidade, somos convidados a nos colocarmos humildemente como barro nas mãos do Deus-Oleiro, que nos ajuda, em nossa pequenez, a cuidar dos bens a nós confiados. Assim, na nossa caminhada cotidiana, somos chamados a viver alertas e de prontidão, à espera do Senhor que vem, sendo colaboradores e colaboradoras no projeto de Jesus.

Pe. Sílvio Ribas, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar