Santo do dia

01/05/2020

São José Operário

01-05Pio XII, instituindo em 1955 a festa de são José Operário, quis oferecer ao trabalhador cristão um modelo e protetor. “Todo trabalho — já dissera na mensagem de Natal de 1942 — possui dignidade inalienável, e ao mesmo tempo ligação íntima com a pessoa em seu aperfeiçoamento: nobre dignidade e prerrogativa, que não são de modo algum aviltadas pela fadiga e pelo peso que devem ser suportados como efeito do pecado original em obediência e submissão à vontade de Deus”. O próprio Cristo quis ser trabalhador manual, passando grande parte de sua vida na oficina de são José, o santo das mãos calejadas, o carpinteiro de Nazaré.

Poucos anos antes de são José abrir sua oficina, Cícero escrevia: “… Têm profissão inferior todos os artesões, porque numa oficina não pode haver algo de decoroso”. O filósofo Aristóteles fora mais categórico ao perguntar em seu primeiro livro da Política: “Devem-se contar entre os cidadãos também os operários mecânicos?”

A resposta deu-a o exemplo de Jesus Cristo que quis condividir a condição operária ao lado de José, e veio da tomada de consciência do próprio movimento operário, que neste dia celebra a festa do trabalho e as conquistas no campo social, sindical e econômico. “Do ponto de vista cristão — como se lê no manual da Ação Católica — o movimento operário não é senão forma de elevação da humanidade, aspecto especial do fenômeno geral de ascensão vislumbrado na parábola dos talentos”.

Para ressaltar a nobreza do trabalho a Igreja propõe para a nossa meditação são José Operário.

Pio XII e João XXIII (o papa que introduziu o nome de são José no cânon da missa) renderam homenagem a este exemplar de vida cristã, ao homem laborioso e honesto, fiel à palavra de Deus, obediente, virtudes que o Evangelho sintetiza em duas palavras: “homem justo”. “Os proletários e os operários — escrevia Leão XIII, o papa da Rerum Novarum — têm como direito especial o de recorrer a são José e de procurar imitá-lo. José, de fato de família real, unido em matrimônio com a mais santa e a maior entre todas as mulheres, considerado como o pai do Filho de Deus, não obstante tudo, passou a vida toda a trabalhar e tirar do seu trabalho de artesão tudo o que era necessário ao sustento da família”.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.