O Domingo
14 de outubro: 28º Domingo do Tempo Comum

Indicar a um amigo:





“UMA SÓ COISA TE FALTA”

Incapaz de se desfazer de suas riquezas para seguir Jesus, o homem rico vai embora triste, fazendo-nos pensar. Bem sabemos como o dinheiro pode ocupar o lugar de Deus, transformando-se facilmente no princípio da vida, no motivo que explica todos os sonhos e lutas de uma pessoa. E na escolha entre dois senhores, Deus e o dinheiro, a questão é: a qual deles realmente estamos servindo?

Não basta observar mandamentos religiosos, mesmo os preceitos do respeito pelo outro e os da boa convivência social, se o contato com Jesus não nos transforma por dentro, se não nos torna capazes de assumir as mesmas atitudes dele, que viveu livre e se doou gratuitamente pelos mais necessitados.

As palavras de Jesus sobre a dificuldade de um rico entrar no reino de Deus são muito claras. Pois uma pessoa que se deixa escravizar pelo dinheiro, que põe as próprias riquezas acima das necessidades dos sofredores, praticamente se põe fora do dinamismo do Reino. Quando o dinheiro se torna o centro, a solidariedade se corrompe e a pessoa só consegue ver a si mesma, como num espelho. E, se vê algo, é como se preferisse ficar na arquibancada, assistindo ao Reino acontecer em campo, com a ação de Jesus e seus seguidores.

O reino de Deus é inaugurado por Jesus com a doação de sua própria vida. Ele não somente deixou tudo, como assumiu a condição dos sofredores, para com eles caminhar, para curá-los, para trazê-los de volta à vida digna. E o Reino continua hoje, neste mundo, com a doação daqueles que assumem a mesma causa de Jesus, sendo capazes de se tornar pobres no Espírito do Mestre.

Daí que o convite de Jesus ao homem rico faz todo sentido: ele não pede que o rico dê algumas esmolas ou faça alguma caridade para ficar com a consciência tranquila. Jesus pede muito mais: chama para segui-lo, para agir como ele age. Mas só consegue isso, no fundo, quem assume a atitude do despojamento, com um coração capaz de deixar tudo em vista do bem maior que é o Reino, o único tesouro, a pedra preciosa.

Pe. Paulo Bazaglia, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar