O SERVIÇO COMO CAMINHO DE QUEM SEGUE JESUS | Paulus Editora

O Domingo – Palavra
O SERVIÇO COMO CAMINHO DE QUEM SEGUE JESUS

Indicar a um amigo:





A passagem do Evangelho de hoje (Mc 10,35-45) inicia-se com o pedido de Tiago e João a Jesus para se sentarem em tronos de glória no Reino (v. 36). No Evangelho segundo São Marcos, esse trecho vem logo depois de Jesus falar de seu sofrimento e de sua morte iminentes (Mc 10,32-34). Quando o Mestre perguntou aos dois irmãos se podiam beber do seu cálice e ser batizados com o batismo com que iria ser batizado (v. 38), eles responderam com um entu-

siástico “sim”, sem se darem conta de que lhes falava de sua morte. Mais tarde, a fuga dos discípulos no Getsêmani (Mc 14,50) vai provar que ambos não sabiam do que Jesus estava falando.

Transparece aí um espírito crescente de competição no grupo dos discípulos. Apesar do cuidado e formação recebidos de Jesus, não aprenderam sobre a verdadeira natureza e o significado da missão do Cristo. Suas preocupações giravam em torno dos privilégios e poderes que podiam obter. Essa falta de compreensão leva Jesus a tentar fazê-los perceber o que realmente significa “compartilhar seu cálice”. Em outras palavras, Jesus, apresentando-se como o Servo do Senhor (v. 45), quer dizer que aceita o sofrimento e a morte como consequências de sua fidelidade ao plano amoroso de Deus e indica que seus seguidores devem fazer o mesmo.

Ao enfrentar a dor e a morte, o Servo do Senhor, na primeira leitura, tornou-se causa de libertação para seus companheiros israelitas contemporâneos. Para nós, cristãos, esse Servo é Jesus.  Na carta aos Hebreus, Cristo aparece, ao mesmo tempo, como sumo sacerdote – oferecendo-se para reconciliar crentes e não crentes com Deus – e como Servo do Senhor, superando provações e tentações e pondo-se a serviço do plano divino de salvação e libertação do povo. Também nós, que somos seus seguidores, somos chamados a compartilhar essa missão, se quisermos ser verdadeiramente “grandes” no Reino.

Jesus quis ensinar aos discípulos de outrora – e de hoje – que a verdadeira grandeza só é alcançada no serviço. Os verdadeiros servidores são aqueles que, no meio da comunidade e da sociedade, são, a exemplo do Mestre, capazes de servir os outros mesmo em meio aos sofrimentos. A oração que pode acompanhá-los encontra-se muito bem expressa no salmo da liturgia: “No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção!”

Christian Dino Batsi, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar