16 de junho – CORPO E SANGUE DE CRISTO | Paulus Editora

O Domingo – Palavra
16 de junho – CORPO E SANGUE DE CRISTO

Indicar a um amigo:





EUCARISTIA GERA COMUNHÃO E FRATERNIDADE

Nosso povo tem grande apreço pela festa de Corpus Christi. E, quando é possível, realiza solenes manifestações religiosas em torno do Cristo eucarístico, levado em procissão sobre “tapetes” coloridos, preparados com criatividade e bom gosto. Convém, entretanto, não fixarmos nossa atenção apenas nos aspectos exteriores dessa tradição da Igreja, que vem do século 13. Porque a festa de Corpus Christi nos remete à instituição da Eucaristia.

A última ceia de Jesus não foi simples refeição. Ele, que desejou ardentemente comer com seus discípulos “esta ceia de Páscoa antes de sofrer” (Lc 22,15), trazia uma novidade, uma herança perpétua para a vida da Igreja. Durante a ceia, Jesus pega um pão e, depois de dar graças, reparte-o entre eles. O pão é o próprio Jesus, pois ele diz aos apóstolos e a nós: Isto (o pão) é o meu corpo que “é entregue por vocês” (Lc 22,19). Ao receber Jesus em nós, participamos da sua vida. Depois, faz passar de mão em mão um cálice com vinho, dizendo: “Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vocês” (Lc 22,20). Sangue é vida. O sangue de Jesus derramado é vida sacrificada pela redenção do mundo.

O pão e o cálice santificados pelo Espírito criam a participação dos fiéis na mesma mesa, geram fraternidade. Então essa comunhão com Jesus e com os irmãos e irmãs não pode se reduzir simplesmente a um ritual bem encenado. O sentido profundo da comunhão vai além do espaço litúrgico ou das palavras ali proferidas. Alimentar-se do corpo e do sangue de Cristo é projetar-se para a comunhão universal. Não é possível honrar o Cristo na liturgia sem honrá-lo também naqueles que são seu Corpo à procura de dignidade e solidariedade, ou seja, em nossos semelhantes mais pobres e sofredores da sociedade: “Todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos meus irmãos mais pequeninos, foi a mim que o fizeram” (Mt 25,40).

Celebremos, pois, a solenidade de Corpus Christi com o mesmo espírito das comunidades cristãs primitivas, que eram “um só coração e uma só alma… tudo entre eles era posto em comum” (At 4,32). Ou com a disposição dos contemporâneos de São Justino, no 2º século, quando a Eucaristia dominical se prolongava na liturgia da “assistência a todos os necessitados” (Apologia I, 67).

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar