São Policarpo – bispo e mártir (memória) | Paulus Editora

Santo do dia

23/02/2021

São Policarpo – bispo e mártir (memória)

23-02Policarpo, bispo de Esmirna, conheceu são João Apóstolo e outras testemunhas oculares da vida de Cristo. Ele é contemporâneo dos apóstolos. Escreveu uma carta aos cristãos de Macedônia, a pedido deles para saberem algo mais sobre o santo bispo Inácio. Policarpo e Inácio eram grandes amigos.

Policarpo era antes de tudo homem de governo e não bom escritor, como Inácio. Não tinha aqueles ímpetos inacianos de ser triturado nos dentes das feras para chegar a Deus. Policarpo tem humilde desconfiança de si mesmo. Teve bastante coragem para o martírio.

Conhecemos o comovente fim de sua vida graças a documento que tem a data de 23 de fevereiro de 155. É uma carta da “Igreja de Deus peregrina em Esmirna à peregrina Igreja de Deus em Filomélio e a todas as paróquias da Igreja santa e católica” (trecho da carta). É narração muito importante do ponto de vista histórico, hagiográfico e litúrgico. Ao procônsul Estácio Quadrato, que o exorta a renegar Cristo, Policarpo responde: “Faz 86 anos que o sirvo e nunca me fez mal algum: como poderia blasfemar o meu Redentor?” O procônsul o ameaça: “Posso fazer-te queimar vivo!” Ele responde: “O seu fogo queima por um momento, depois passa; eu temo é o fogo eterno da condenação”.

Enquanto no meio do anfiteatro de Esmirna é queimado vivo, “não como uma carne que assa, mas como um pão que coze”, o mártir eleva ao Senhor uma súplica maravilhosa, breve e intensa: “Sede para sempre bendito, Senhor, que vosso nome adorável seja glorificado em todos os séculos, por Jesus Cristo, pontífice eterno e onipotente, e que toda a honra vos seja dada com ele e o Espírito Santo, por todos os séculos”. Logo seu corpo se transformou em cinzas. Diz o autor da carta: “Nós conseguimos recolher alguns ossos que conservamos como ouro e pedras preciosas”.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.