Santo do dia

12/03/2020

São Constantino, rei e mártir

11-marConstantino é nome premiado com muitos que o honraram. Começando com o imperador Constantino, cujo culto se estendeu lentamente por todo o Oriente e a festa era junto com a mãe dele, santa Helena. No Ocidente seu culto não se difundiu a não ser na Sicília, Calábria e Sardenha.

Hoje a Igreja latina celebra outro Constantino. Também este foi rei e coroou sua atribuladíssima vida com o martírio. Da obscuridade da Idade Média ele emerge para impor-se à devoção dos cristãos, especialmente da Grã-Bretanha e da Irlanda. Não começou bem a vida. Maculou-se com várias culpas inclusive com assassínios e sacrilégios. Para ficar mais livre no seu mau comportamento público e particular divorciou-se da legítima esposa. Converteu-se, porém, ainda jovem e mudou radicalmente de vida. Renunciou ao trono e para fazer penitência das culpas cometidas ingressou no mosteiro inglês de Rathan.

A vida monacal inglesa estava em pleno desenvolvimento, iniciada com a pregação de são Patrício e continuada através dos muitos santos. Sob a direção de são Columbano, o ex-rei Constantino, ordenado sacerdote depois de sete anos de vida austera no exercício da ascese cristã e no estudo da Sagrada Escritura, voltou à Escócia, desta vez não com as insígnias reais, mas debaixo das humildes vestes monacais, para pregar o Evangelho. Foi nesse período que o país dos Pitti se converteu ao cristianismo, assumindo o nome de Escócia, que até aquela época pertencia à Irlanda.

Constantino tinha ido edificar o reino de Deus na terra que tinha sido o palco de suas extravagâncias e culpas, já apagadas pelo perdão de Deus e pelo eficaz testemunho de amor a Jesus Cristo. Colheu a palma do martírio na Escócia onde foi trucidado pelos fanáticos pagãos, consequência das suas pregações nas praças públicas.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.