Santo Elígio – bispo | Paulus Editora

Santo do dia

01/12/2021

Santo Elígio – bispo

01-12Os ourives, os faqueiros, os ferradores, os ferreiros, os seleiros, os comerciantes de cavalos, os carreteiros, os cocheiros, os garageiros, os mecânicos e os metalúrgicos honram santo Elígio como seu celeste patrono. Conta-se que durante a sua vida terrena Elígio, nascido em Chaptelat no Limosine pelo ano de 588, de nobre família galo-romana, exerceu essas várias profissões, além de tudo, naturalmente, a de bispo. Como ourives e ferreiro a lenda procura mostrá-lo como tendo dado provas de rara honestidade. Clotário II ter-lhe-ia encomendado um trono todo de ouro (às vezes a ambição olha mais as aparências que a funcionalidade) e Elígio, que em Lião trabalhara como aprendiz junto com o superintendente de confecções de moedas reais, empenhou-se tanto e com tamanha honestidade que com o precioso metal oferecido pela tesouraria real em vez de um trono fez dois.

Isso valeu-lhe a promoção a diretor da Casa da Moeda em Marselha: testemunham-no algumas peças portadoras de sua assinatura. Não era diretor, no sentido moderno da palavra, daqueles que dirigem os trabalhos da grande mesa de nogueira, com secretária e telefone: Elígio continuava a trabalhar na sua forja, manejando martelo e tenazes. Desse modo o representam muitos pintores. Uma lenda conta que o castíssimo ferrador teria resolvido a seu modo uma tentação diabólica, prendendo com as tenazes o nariz de uma linda moça que o seduzia, sob cujas aparências vira a presença do demônio.

No período em que foi diretor da Casa da Moeda, Elígio continuou a trabalhar com muito zelo em obras importantes como o túmulo de são Martinho de Tours, o mausoléu de são Dionísio de Paris, o cálice de Cheles, embora os historiadores não estejam de acordo na atribuição a ele da paternidade desses trabalhos. O que vai sem dúvida atribuído a seus méritos são as numerosas obras de caridade feitas neste período, resgatando muitos prisioneiros, aos quais restituía a liberdade, e a construção de uma abadia, em 632, em Solignac, que confiou à direção de são Remaclo. Em 633, construiu um mosteiro feminino em Paris.

Em 639, morto o rei, demitiu-se de todos os cargos, para entrar na vida eclesiástica. Dois anos após era consagrado bispo e teve o governo da diocese de Noyon-Tournai, que dirigiu por uns vinte anos, dedicando-se a muitas atividades apostólicas: fundações de mosteiros e viagens missionárias a Flandres e entre os frisões. A morte o colheu durante uma dessas viagens de pregação, na Holanda, a 1º de dezembro de 660.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.