O Domingo
5 de agosto: 18º Domingo do Tempo Comum

Indicar a um amigo:





O SINAL DO PÃO DA VIDA

As multidões que tinham sido saciadas de pão continuam a procurar Jesus, esperando que ele lhes dê alimento fácil. Como não compreendem os sinais que Jesus realiza, buscam apenas milagres.

Pois a questão, essencialmente, é entender os sinais que Jesus realiza. Pensemos nas placas de trânsito. Só consegue entender o que elas sinalizam quem aprendeu a lê-las. As placas estão espalhadas pelo caminho para dar indicações fundamentais ao viajante. Assim as ações de Jesus. Se olhamos para suas ações e não conseguimos entender o que significam ou o que sinalizam, elas serão para nós simples milagres ou atos isolados para resolver o problema de uma pessoa ou de um grupo.

A obra de Deus é que creiamos naquele que ele enviou. Crer em Jesus é segui-lo num caminho de aprendizado, para ver o que ele fez e falou e, então, saber ler e seguir hoje os seus sinais. Nossa vocação é, de fato, o aprendizado dos sinais.

O que Jesus fez foi saciar cinco mil homens com cinco pães e dois peixes. Mas o sinal que ele deixou, com essa ação, é o que mais conta. Jesus não apenas repartiu o pão material e saciou momentaneamente a fome daquela gente, mas se doou a si mesmo como Pão da vida, a fim de matar uma fome mais profunda, para sempre. Ver esse sinal de Jesus é compreender que ele deixou sua vida como Pão que alimenta. Acreditando nele, alimentando-nos dele, assimilando seu modo de agir e de se doar pelos outros, a consequência só pode ser uma: quando todos partilhamos o que temos, mesmo que seja pouco, todos ficam saciados e ainda sobra.

Jesus questiona, fundamentalmente, por que o procuramos e o que buscamos neste mundo. Podemos procurar milagres ou a satisfação de nossas necessidades pessoais, sem compreender que nossa fome de Deus e de vida eterna só se sacia de um jeito: assumindo o modo de ser e de agir de nosso Mestre, que doou a própria vida pela vida do mundo.

Quais sinais de Jesus encontramos pelo caminho? Ou ainda vivemos tão somente à espera de milagres?

Pe. Paulo Bazaglia, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar