O Domingo
29 de dezembro: Sagrada Família

Indicar a um amigo:





FAMÍLIA REFUGIADA

O Menino Deus vem ao mundo e assume a condição humana. Cresce no seio de uma família pobre e enfrenta as dificuldades comuns a tantas famílias.

A Sagrada Família, escutando a voz de Deus, é concretamente família de refugiados e perseguidos. Ao fugir para o Egito e depois voltar à Terra Prometida, ela refaz o caminho do êxodo do Antigo Testamento. Representa assim todo um povo que não fica parado diante das ameaças expressas pelos interesses de poderosos como Herodes.

Quão atentos estamos hoje à voz de Deus, que nos fala nas situações e conflitos e nos pede que fujamos de tudo o que tenta tirar a vida? José é exemplo de quem está atento. Por três vezes obedece à voz divina, que lhe vem por meio de sonhos. Faz sua parte para que o Filho de Deus chegue a Nazaré. “Nazaré” faz pensar na palavra profética de Isaías, que falava de um broto no tronco. Jesus é o “broto novo”, aquele que inicia com a humanidade uma nova história. Ele vem para libertar e encontra pessoas atentas, como José e Maria.

Como não identificar, na Família de Nazaré, tantas famílias de refugiados, gente sofredora que, com fé e sem nada de material, vai em busca de algo, sobretudo para salvar os filhos da morte? Uma realidade para a qual o papa Francisco recentemente chamou a atenção: “Hoje o mundo dos migrantes e refugiados é um pouco uma cruz, a cruz da humanidade, e é uma cruz que muita gente sofre”.

Com Jesus começa uma história nova, que passa necessariamente por nossas famílias. Deus acompanha a todas elas. Cabe-nos, no entanto, estar atentos à sua voz, para que ninguém e nada destrua o que existe de mais sagrado. Pois o Menino Jesus, salvo das mãos de Herodes há dois mil anos, morre hoje em cada criança que morre com suas famílias, vítimas da ganância, da falta de políticas em favor dos que mais sofrem. Morrem tentando superar as fronteiras de territórios, mas sobretudo as fronteiras desumanas do egoísmo e do preconceito. E, não obstante tudo isso, Deus continua conosco, indicando-nos sempre o caminho para uma nova história.

    Pe. Paulo Bazaglia, ssp

 


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar