O Domingo
22 de abril: 4º Domingo da Páscoa

Indicar a um amigo:





PASTORES COMPROMETIDOS

No quarto domingo da Páscoa, nos três anos do tempo litúrgico, é lida uma passagem do capítulo 10 do Evangelho de João. A alegoria do pastor é uma releitura do capítulo 34 de Ezequiel. Diante do descuido das autoridades, o profeta anunciara que o próprio Deus iria cuidar do seu rebanho.

Jesus retoma essa imagem e se apresenta, no evangelho deste domingo, como o Bom Pastor. Ora, se há o bom pastor, isso é sinal de que pode haver também os maus pastores, ou seja, os mercenários. Quem é bom e quem é mau pastor?

O Senhor se apresenta dessa forma porque conhece seu povo e o povo o conhece. Conhecer, em sentido bíblico, é uma consciência que cria comunhão, uma relação pessoal de amor e amizade. Conhecer de verdade alguém implica a disposição de pagar o preço de se colocar a seu lado.

Ele é o bom pastor porque dá a vida para que as pessoas a tenham em plenitude. Toda sua prática foi a favor da vida, principalmente dos mais necessitados. Quem ama de verdade é capaz de se doar pela vida do amado e não foge diante do perigo.

É o bom pastor porque se preocupa com todos, e não apenas com um pequeno grupo. Jesus não é exclusividade de um único povo. Sua proposta é para todas as pessoas e para todos os povos.

Ele não é aquele pastor autoritário que, às vezes, alguns imaginam: um pastor que tolhe a liberdade; que fica sempre vigiando para ver se alguém comete algum deslize; que trata todo mundo como se fosse um “rebanho”, negando a individualidade; que controla cada um de seus seguidores… As primeiras comunidades descobriram em Jesus bom pastor a imagem mais querida do Mestre. 

Infelizmente, ao lado dos bons pastores, existem também os maus pastores. São os mercenários, que se preocupam apenas consigo mesmos e não têm interesse pela vida do povo. O mercenário instrumentaliza as pessoas para seu próprio fim; ele as vê e valoriza à medida que lhe forem “úteis”, também (mas não só) financeiramente.

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar