O Domingo
13 de outubro: 28º Domingo do Tempo Comum

Indicar a um amigo:





SOMOS PESSOAS AGRADECIDAS?

Jesus continua sua caminhada para Jerusalém, onde será julgado e condenado. Nessa trajetória, ele vai ensinando e curando. Em certo povoado, dez homens, designados como “leprosos” – termo que, na época, englobava não apenas a hanseníase, mas também outras doenças da pele –, gritam a Jesus a distância, pedindo compaixão. Em resposta, o Mestre os convida a se apresentarem ao sacerdote, para que este lhes dê prova de cura. Enquanto vão, reconhecem a cura, mas somente um deles, um samaritano, volta para agradecer.

Tais doentes de pele cumprem fielmente as obrigações impostas pela lei: viver fora do acampamento, usar roupas rasgadas, ter os cabelos despenteados, apresentar-se ao sacerdote após a cura… Não voltam para agradecer, talvez, por considerarem sua cura como efeito da observância da lei. Somente o samaritano, desprezado pelos judeus, reconhece que a cura é dom de Deus e agradece a Jesus.

O relato pode nos ensinar alguns aspectos importantes, próprios (ou não) de nossa vida de seguidores de Jesus. Em primeiro lugar, a gratidão. Saber agradecer a Deus os muitos dons que ele continuamente nos proporciona. Agradecer às pessoas que nos alegram e dignificam com sua presença e serviço. Dizer “muito obrigado” é tão simples e, além disso, faz muito bem à pessoa a quem se dirige o agradecimento e também a quem o exprime!

Em segundo lugar, os curados que não voltam para agradecer talvez se assemelhem a muitos cristãos que, presos a certo legalismo moral doentio, pensam estar cumprindo fielmente as normas e determinações e por isso se acham merecedores de graças e bênçãos.

Em terceiro lugar, o relato nos mostra o cuidado e a compaixão de Jesus pelos doentes. A Igreja e cada uma das comunidades cristãs deveriam ter como meta o cuidado para com os doentes e os idosos. O poder público tem o compromisso de adotar políticas públicas (tema da CF-2019) que venham a beneficiar essas categorias de pessoas. A saúde pública e universal deveria ser direito de todo cidadão brasileiro, conforme determina a Constituição.               

Pe. Nilo Luza, ssp


O Domingo

É um periódico que tem a missão de colaborar na animação das comunidades cristãs em seus momentos de celebração eucarística. Ele é composto pelas leituras litúrgicas de cada domingo, uma proposta de oração eucarística, cantos próprios e adequados para cada parte da missa e duas colunas, uma reflete sobre o evangelho do dia e a outra sobre temas relacionados à vida da Igreja.

Assinar