O Domingo – Palavra
8 de abril: 2º Domingo da Páscoa

Indicar a um amigo:





PARTIR PARA A MISSÃO, SEM TEMOR

Discípulos reunidos, de portas trancadas, por medo dos dirigentes. Repleto de dons a distribuir, o Ressuscitado apresenta-se no meio deles, que ficam radiantes de alegria. Jesus começa afastando deles o temor, introduzindo a paz. Recuperam imediatamente a serenidade. Relaxam. Podem então acolher atentamente a novidade que Jesus tem para lhes comunicar. Pelo sopro, Jesus infunde neles o Espírito Santo: “Recebam o Espírito Santo”. A comunidade recebe o poder de perdoar pecados em nome do Senhor. O pecado é a injustiça que impera no mundo, a mesma injustiça que condenou Jesus à morte. Eliminar a injustiça é abraçar o projeto de Deus, que quer vida abundante para todos. Após receberem o Espírito Santo, a vida dos discípulos não é mais a mesma. Estão em condições de partir para a missão, sem nenhum temor, dispostos a morrer para dar muito fruto: “Se o grão de trigo, ao cair na terra, não morrer, ficará sozinho. Mas, se morrer, produzirá muito fruto” (Jo 12,24).

Outro grande ensinamento do Ressuscitado ficou reservado para oito dias depois. Tomé, que não havia acreditado na palavra do grupo dos discípulos (“Vimos o Senhor”), foi chamado pessoalmente por Jesus para tocar nos sinais da crucificação. Diante da evidência, Tomé profere sua grande profissão de fé: “Meu Senhor e meu Deus!” Para crer, não dependemos da aparição do Ressuscitado. Basta-nos o testemunho da comunidade cristã: “Bem-aventurados os que creram sem ter visto”. É a nossa situação. Não vemos Jesus com o órgão da visão. No entanto, pelo testemunho da Igreja, cremos que ele vive: “Eu sou o Primeiro e o Último, o Vivente, estive morto, mas estou vivo para sempre” (Ap 1,18). Está presente toda vez que nos reunimos em seu nome: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18,20). Os primeiros cristãos tinham bem viva essa convicção. Em nome do Senhor Jesus, pregaram o evangelho por toda parte, professaram sua fé, atraíram grande número de novos cristãos e muitos deles sofreram o martírio.

Renovemos nossa fé, aceitando que Cristo está vivo entre nós e tem a força de transformar radicalmente nossa vida e a realidade que nos envolve.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar