O Domingo – Palavra
4 de novembro: Todos os Santos

Indicar a um amigo:





“BILHETE DE INGRESSO” PARA A VIDA ETERNA

Nosso principal modelo de santidade é Jesus Cristo. Os evangelhos nos mostram como ele viveu, o que fez e o que nos ensinou. Não basta acumular informações sobre as atitudes e os ensinamentos de Jesus. É necessário fazer como ele fez, sobretudo pôr em prática o mandamento do amor: “Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros. Assim como eu amei vocês, que vocês se amem uns aos outros” (Jo 13,34).

Como pôr em prática o mandamento do amor? Pois bem, Jesus se identificou com as pessoas pobres e carentes que vivem no meio de nós: “Tive fome e vocês me deram de comer… Todas as vezes que vocês fizeram isso a um desses meus irmãos mais pequeninos, foi a mim que o fizeram” (Mt 25,31-46). Ora, aqui está o bilhete de ingresso para o convívio feliz com Deus: os justos irão para a vida eterna (cf. Mt 25,46). “O critério de avaliação de nossa vida é, antes de mais nada, o que fizemos pelos outros”, afirma o papa Francisco na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, sobre o chamado à santidade no mundo atual.

Outra grande referência do evangelho para levarmos uma vida santa, conforme os valores do reino de Deus, são as bem-aventuranças de Mateus, capítulo 5. No sentido contrário às bem-aventuranças, estão as atitudes deste mundo, isto é: acumular riquezas; explorar e oprimir os semelhantes; levar vida egoísta e assim por diante. Bem outras são as recomendações das bem-aventuranças: viver desapegado dos bens materiais; agir com mansidão; ter um coração puro nos relacionamentos com Deus e com o próximo, sem apelar para mentiras e enganações; construir a paz nas famílias e no mundo; lutar pela implantação da justiça em toda parte; ter coração misericordioso, como o de Jesus (cf. Mt 11,29).

O papa Francisco, na carta apostólica citada acima, escreve: “Quem realmente quer se santificar para que a sua existência glorifique o Santo, é chamado a obstinar-se, gastar-se e cansar-se, procurando viver as obras de misericórdia”. Já dizia santa Teresa de Calcutá: “O Senhor abaixa-se e serve-se de nós, de ti e de mim, para sermos o seu amor e a sua compaixão no mundo, apesar dos nossos pecados, apesar das nossas misérias e defeitos”.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar