O Domingo – Palavra
30 de setembro: 26º Domingo do Tempo Comum

Indicar a um amigo:





UMA COMUNIDADE ABERTA

A liturgia de hoje chama a atenção para que a comunidade cristã seja capaz de acolher e aceitar o diferente. Isso porque, em todo tempo e lugar, os seguidores de Jesus correm o risco de se fecharem em si mesmos, de se autorreferenciarem e até de se desviarem totalmente do exemplo dado pelo Divino Mestre.

Triste seria ainda se eles se considerassem um clube de privilegiados, com poderes especiais e até inacessíveis. Embora o Senhor tenha insistido na formação de uma comunidade aberta, parece que, na passagem do evangelho deste domingo, os discípulos tendem ao fechamento, ao egoísmo.

A cena evangélica mostra que Jesus é um Mestre paciente. Já havia ensinado tantas vezes, com palavras e gestos, acerca do discipulado. Mas o grupo ainda está aquém de uma aprendizagem à altura da realidade da cruz e do empenho desinteressado no caminho do reino de Deus. Ainda permanecem na lógica do mundo, no apego aos pequenos poderes, aos projetos pessoais. E, no afã de se apropriarem dos poderes do mundo, esquecem-se do poder que vale a pena: o poder do amor.

Jesus, porém, não desiste de instruí-los. O verdadeiro líder sabe do tempo que cada membro do seu grupo precisa. Ele, de novo, tenta desfazer o que os discípulos têm impregnado na mente: a ideia de grupo exclusivo e com poderes especiais. Ora, se alguém faz o bem em nome de Jesus, não há por que impedi-lo. O bem cabe em todo lugar, desde que seja feito sem interesses escusos. E, quando é praticado em nome de Jesus, não poderia ser falso. Até um copo d’água dado com os mesmos sentimentos de Cristo é valioso aos olhos de Deus. O julgamento não cabe aos discípulos.

No entanto, o que Jesus não tolera é o escândalo. Por isso, os discípulos precisam de vigilância e humildade. Vigilância para não se acharem os melhores e depois tropeçarem em alguma pedra. Humildade para perceberem que estão sempre em processo de aprendizagem.

As dificuldades dos discípulos naquele tempo podem ser as mesmas nossas hoje. Importa ficarmos atentos à palavra do Mestre. O evangelho deve ser nosso manual de meditação diária. Peçamos que as luzes do Espírito Santo nos iluminem para que sejamos fiéis à missão recebida do Senhor.

Pe. Antonio Iraildo Alves de Brito, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar