O Domingo – Palavra
2 de novembro – FINADOS

Indicar a um amigo:





A IGREJA DO VATICANO II

Dando continuidade à proposta de – mensalmente ao longo deste ano, neste espaço de O Domingo-Celebração da Palavra de Deus – recordar o Concílio Ecumênico Vaticano II ao comemorarmos 50 anos de seu início, escolhemos para este mês as constituições Lumen Gentium e Gaudium et Spes, que versam sobre a Igreja.
O Vaticano II foi um concílio orientado para a vivência da fé, da esperança e da caridade.
Fixou-se nas relações da Igreja com os seres humanos e com o mundo, por trabalhar mais na dimensão pastoral. No seu precioso conjunto de documentos, podemos pinçar conceitos e propostas que dão uma face renovada à Igreja, esposa de Cristo. A dupla visão da Igreja ficou bem clara na constituição dogmática Lumen Gentium e na constituição pastoral Gaudium et Spes. A primeira define sua natureza cristológica, enquanto a segunda se volta para a vertente pastoral. Aquela começa dizendo que “a Igreja é como que o sacramento ou o sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o gênero humano”, e esta assim fala: “As alegrias e as esperanças dos seres humanos de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”.
Ambas respeitam as verdades básicas que, conforme o espírito do concílio, pedem uma atualização à luz dos sinais dos tempos. A Lumen Gentium vê a Igreja em seu viés teológico, enquanto a Gaudium et Spes é constituição pastoral centrada na presença de Deus no mundo atual.
Fotografia nítida da Igreja conciliar se encontra nesta síntese bem formulada do cardeal Aloísio Lorscheider: “O Vaticano II faz-nos passar de uma Igreja-instituição ou de uma Igreja-sociedade perfeita para uma Igreja-comunidade, inserida no mundo, a serviço do reino de Deus; de uma Igreja-poder para uma Igreja pobre, despojada, peregrina; de uma Igreja-autoridade para uma Igreja serva, servidora, ministerial; de uma Igreja piramidal para uma Igreja-povo; de uma Igreja pura e sem mancha para uma Igreja santa e pecadora, sempre necessitada de conversão, de reforma; de uma Igreja-cristandade para uma Igreja-missão, uma Igreja toda ela missionária”. Esse é o perfil da Igreja lavada nas águas puras do Concílio Ecumênico Vaticano II.

D. Geraldo Majella Agnelo – Cardeal Arcebispo Emérito de Salvador


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar