O Domingo – Palavra
1º de abril: Domingo da Páscoa

Indicar a um amigo:





A VIDA É O QUE IMPORTA

O sepulcro está vazio. A morte foi vencida. Essa é a certeza que anima a comunidade cristã a caminhar, tendo à frente o horizonte da esperança.

O evangelho de hoje começa dizendo que “era o primeiro dia da semana”. Isso significa que com Jesus começa um novo tempo. Deus jamais desiste da humanidade e de toda a sua criação.

Embora nossa história presente ainda esteja marcada com os sinais da dor, da morte, em Jesus de Nazaré os sinais de vida se evidenciam. Ele é a vida em plenitude. E não se trata apenas de discursos ou palavras, de altas filosofias e projetos estonteantes. Na verdade, ele, como pessoa, enfrentou as dores da cruz e “desceu à mansão dos mortos”. Porém, fiel à vontade de Deus, não se entregou aos esquemas do mundo. Como homem livre, foi firme até o fim.

O fato de Maria Madalena ir ao túmulo bem de manhãzinha, quando “ainda era escuro”, quer dizer que, mesmo diante do despontar de uma nova aurora, a comunidade ainda não tinha compreendido a profundidade do mistério da ressurreição do Senhor. Está confusa e perdida. Por vezes, nós também nos perdemos com as exterioridades, com os problemas cotidianos. Enxergamos tão somente os aspectos negativos dos acontecimentos. A vida que Deus nos deu é um presente preciosíssimo. Ele nos quer vivos e cheios de alegria. A sua ressurreição é a nossa também.

À semelhança de Maria Madalena, também temos de caminhar quando o sol ainda nem nasceu. A noite, no entanto, faz parte do ritmo da vida e ela sempre passa. O que nos motiva e nos alegra é a esperança do despontar de um novo dia. A aurora dá sinal de que o sol vai nascer. Jesus é o sol de nossa vida. Ele está vivo e em nosso meio. Nenhuma escuridão vai nos amedrontar. E quando nossos olhos não enxergarem o profundo, o colírio da fé nos ajuda a tirar a cegueira.

A morte não tem triunfo coisa alguma! A vida, sim, é soberana e nos pede coragem a todo momento. Evidentemente que não se trata de fingir que no mundo não há problemas. Sabemos que há, e muitos. A ressurreição, porém, aponta-nos que a vida é maior do que todos os problemas. É maior do que a morte.

Como discípulos e discípulas de Jesus, não somos prisioneiros do sepulcro. Estamos livres para Deus.

Feliz Páscoa!

Pe. Antonio Iraildo Alves de Brito, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar