O Domingo – Palavra
11 de fevereiro: 6º Domingo do Tempo Comum

Indicar a um amigo:





UM REINO SEM EXCLUÍDOS

Ao curar o doente de pele, tocando-o com a mão, Jesus mexe num ponto delicado. Na verdade, provoca um alvoroço na sociedade do seu tempo. Primeiro, porque as pessoas com aquele tipo de doença, segundo as leis do Levítico (cf. Lv 14,1-32), tinham de ficar afastadas do convívio humano. Segundo, porque eram consideradas impuras e por isso não podiam participar dos atos religiosos nas sinagogas e no templo. Duplamente marginalizadas: proibidas de circular livremente nos ambientes sociais e impedidas de congregar-se com os outros para prestar culto a Deus. Além disso, quando ocorria que alguém ficasse livre de sua doença, devia mostrar-se ao representante da instituição religiosa. O sacerdote, então, submetia a pessoa curada a rituais complicados e cheios de pormenores. E havia despesas a pagar. De alguma forma, a instituição religiosa, incapaz de curar, tornava-se um canal de exploração.

Jesus rompe com essa prática perversa que marginaliza as pessoas; que separa os chamados “puros” dos “impuros”. Rico de misericórdia e repleto de zelo pelo povo empobrecido, Jesus devolve a saúde a quem dela carecia. E o faz gratuitamente, com o poder de sua palavra e o toque benfazejo de suas mãos. Portanto, quando Jesus cura o doente de pele, sabe que está abalando toda uma estrutura social que discrimina, marginaliza, despreza, abandona e deixa morrer à míngua.

Presença transformadora do reino de Deus, Jesus faz comunhão com aqueles que a sociedade exclui e os reconduz para o convívio social: “Eles próprios, já incorporados nos seus lares e reintegrados entre os seus, transformam-se em sinal vivo da chegada desse reinado de Deus, que é um reinado de fraternidade e de comunhão. Onde Deus reina como Pai, os homens já não podem reinar uns sobre os outros nem umas classes sobre as outras. Já não pode haver puros que desprezam os impuros, sadios que excluem os doentes, limpos que evitam os leprosos, sensatos que acorrentam os loucos na solidão das montanhas. Onde o reinado de Deus vai abrindo caminho, vai-se construindo comunicação, solidariedade, comunhão e fraternidade” (J. A. Pagola). Quem são, em nossos dias, os marginalizados da sociedade? Por que são excluídos?

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp


O Domingo – Palavra

O objetivo deste periódico é celebrar a presença de Deus na caminhada do povo e servir às comunidades eclesiais na preparação e realização da Liturgia da Palavra. Ele contém as leituras litúrgicas de cada domingo, proposta de reflexão, cantos do Hinário litúrgico da CNBB e um artigo que trata da liturgia do dia ou de algum acontecimento eclesial.

Assinar