6º Simpósio PAULUS de Teologia e Pastoral promove debate sobre o ambiente digital e religiões | Paulus Editora

Notícias

22/10/2021

6º Simpósio PAULUS de Teologia e Pastoral promove debate sobre o ambiente digital e religiões

Por Imprensa

Indicar a um amigo:





Evento on-line promove debates com especialistas em religiosidade e comunicação

No dia 26 de outubro, a partir das 8h30, a PAULUS Editora, em parceria com o Grupo de Pesquisa PHAES – Pessoa Humana, Antropologia, Ética e Sexualidade da PUC-SP, promove a 6ª edição do Simpósio PAULUS de Teologia e Pastoral, com o tema “Ambiente digital e religiões”.

O evento contará com a participação de especialistas na área, como Moisés Sbardelotto, mestre e doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (RS); Mário Marcelo Coelho, doutor em Teologia Moral e professor da Faculdade Dehoniana de Taubaté (SP); Rita de Cassia Mendes Álvares, Psicóloga, Psicanalista, mestre em Psicologia Social e Institucional e doutora em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) e Frei Darlei Zanon, ssp, religioso paulino, mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL). (Confira aqui os temas)

Segundo Moisés Sbardelotto, o período da pandemia do novo coronavírus mostrou a importância que o ambiente digital ocupa na vida das pessoas. É perceptível que em todas as esferas da sociedade, a conectividade tornou-se essencial, seja para o trabalho, lazer, educação e até mesmo a religião. “O período de pandemia – apesar de toda a dor e o sofrimento causados – contribuiu para mostrar ainda mais claramente que aquilo que vivemos na internet e nas redes digitais não é meramente ‘virtual’, como se fosse algo fictício ou ilusório. Pelo contrário, nossa vida se torna cada vez mais digital, em suas várias dimensões, e a conectividade é uma das principais características da nossa experiência pessoal e social contemporânea”, explica o especialista.

Dada a importância que o ambiente digital tem tomado no cotidiano das pessoas e no ambiente religioso, Sbardelotto ressalta a necessidade de reconhecer o próprio ambiente digital como um lugar teológico, tendo em vista que em rede também é possível encontrar a Deus, o outro e viver experiências de comunhão e de comunidade. Segundo ele, o desafio é promover uma inculturação digital que permita reconhecer as ‘formas e valores positivos’ (Evangelii gaudium, n. 116) presentes na cultura digital e que podem enriquecer a evangelização, introduzindo-os na cultura eclesial. “Esse é um processo artesanal, que deve ser discernido e elaborado a partir das especificidades de cada contexto, de acordo com os tempos, os lugares e as pessoas particulares. Até porque, embora falemos em ‘cultura digital’ no singular, as expressões da digitalização são as mais diversas, gerando diferentes ‘culturas digitais’, inclusive dentro de uma mesma região”, assinala o doutor em Ciências da Comunicação.

A experiência de fé no ambiente digital

Com o avanço da pandemia e as medidas restritivas tomadas para contenção da infecção, também as dioceses, santuários, paróquias e comunidades tiveram que se adaptar à nova realidade. Para Sbardelotto, a pandemia mudou também a forma de viver e celebrar a fé, uma vez que o isolamento fez com que a Igreja repensasse sua experiência litúrgica e comunitária. “No entanto, a Igreja, entendida como povo de Deus, não se fechou, mas continuou viva nas casas de todos os fiéis, graças também às possibilidades do ambiente digital. As casas não se fecharam, mas puderam se conectar com outros lares, unindo pessoas, famílias, grupos e comunidades em encontros de oração, formação e organização de ações pela internet. Mesmo em um período de distanciamento social, a Igreja pôde continuar sendo – e talvez até mais – “em saída”, como pede o Papa Francisco”, assegura o entrevistado.

Na obra “Comunicar o Evangelho – Panorama histórico do magistério da Igreja sobre a comunicação”, lançada pela PAULUS Editora, o autor e um dos palestrantes do Simpósio, Frei Darlei Zanon, ssp, afirma que o digital não é um instrumento, mas um ambiente, lugar de experiência e encontro e, por isso, é necessário que a Igreja ocupe as redes de forma adequada, de acordo com os valores do Evangelho. “O verdadeiro desafio da Igreja não é aquele de usar bem a rede, mas sim viver intensa e cristãmente nos tempos de rede, como um espaço de ação e experiência”, afirma o autor.

Frei Darlei ainda orienta que para otimizar este serviço, é necessário compreender a linguagem e os desafios que cada meio digital apresenta. “Para uma concreta pastoral digital é preciso antes de tudo darmos conta de que a fisionomia comunicativa muda nos meios digitais e por isso devemos primeiro entender a lógica de cada meio e ambiente, seus desafios culturais e comunicativos, para melhor atuar e assim sermos mais eficazes e dinâmicos”, aconselha o religioso na publicação.

As inscrições para o 6º Simpósio PAULUS de Teologia e Pastoral podem ser realizadas através do site: https://eventos.paulus.com.br/208/evento. Neste mesmo dia, acontecerá a Primeira Jornada de Estudos Científicos do Grupo PHAES. Na parte da tarde, haverá a exposição das Comunicações feitas pelos integrantes do grupo e de outros interessados que fizeram o envio prévio dos trabalhos.

Serviço:

6º Simpósio PAULUS de Teologia e Pastoral – “Ambiente digital e religiões”
Data: 26 de outubro, a partir das 8h30
Evento on-line, transmitido ao vivo através do canal do Youtube da PAULUS Editora
Inscrições gratuitas (com emissão de certificado para os inscritos)
Mais informações: https://eventos.paulus.com.br/208/evento
(11) 5087-3726 | [email protected]