Notícias

05/09/2019

Obras da PAULUS “A semente de pera mágica em cordel” e “Mazzaropi” são selecionadas para o Acervo Básico da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ)

Por Imprensa

Indicar a um amigo:





O reconhecimento é um dos mais importantes em termos de qualidade literária.

Neste mês de setembro, os livros da PAULUS “A semente de pera mágica em cordel: um conto oriental de origem chinesa, escrita e ilustrada com xilogravuras por Nireuda Longobardi e, a obra “Mazzaropi – Um jeca bem brasileiro da autora Dílvia Ludvichak com ilustrações de Luciano Tasso, foram selecionados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), para fazer parte do Acervo Básico referente ao ano de 2019 –  produção de 2018.

Na categoria Poesia – O livro “A semente de pera mágica em cordel: um conto oriental de origem chinesa” foi escolhido por seu enredo imponente que, traz em sua composição, ensinamentos e valores morais, ressaltando o reconhecimento da culpa, a atitude de tolerância e a responsabilidade diante das próprias ações.

A obra de Nireuda Longobardi narra história de um jovem chinês muito pobre que, não tendo o que comer, furtava alimentos para sobreviver. Nesse caminho, certa vez, em uma feira, o jovem teve sua vida completamente mudada ao furtar uma suculenta pera mágica.

O livro também enfatiza o nível de sabedoria e discernimento de alguém por ocasião do enfrentamento de um julgamento sobre suas ações. Além disso, a obra é construída em forma de cordel, outro ponto importante da linguagem para ser explorado.

Em Mazzaropi – Um jeca bem brasileiro, selecionado na categoria Informativo, a autora Dílvia Ludvichak, conta a história de um artista genuinamente brasileiro “Amácio Mazzaropi”.

No livro, Dílvia apresenta a família, a história e o talento desse artista: o seu nascimento, a relação com os pais e avós, a descoberta do circo “sua casa era o mundo, e o mundo era o seu quintal”, seus trabalhos com Monteiro Lobato, entre outros. Ilustrado por Luciano Tasso, a publicação reflete sobre o preconceito, saudades e o jeito simples de ser, como enfatiza a autor. O livro também apresenta algumas curiosidades sobre Mazzaropi e o seu personagem Jeca Tatu.

Sua alma era de Jeca, e ser jeca seu ganha-pão. Com seu talento, passou a mensagem, e o fez sem embromação. Gente da roça é gente e carece de consideração”, escreve Dílvia Ludvichak.

A FNLIJ é uma entidade que visa promover a leitura e divulgar livros brasileiros de qualidade para crianças e jovens. Além disso, a instituição busca contribuir para a melhoria da educação valorizando a leitura.

A Fundação anualmente recebe das editoras as primeiras edições dos livros publicados, depois de lidos por especialistas, as obras consideradas de melhor qualidade são selecionadas para fazer parte do Acervo Básico da FNLIJ. O objetivo é orientar a compra de um acervo inicial por Secretarias de Educação, escolas e bibliotecas.