Colunistas

Bíblia

04/05/2018

Livros Sapienciais 1. Introdução

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





Em 2017 estudamos brevemente os dezesseis “livros históricos”. Este ano pretendemos conhecer um pouco a literatura sapiencial, ou seja, os “livros sapienciais”. São sete livros que formam esse bloco bíblico. Segundo alguns estudiosos, seriam cinco sapienciais (Jó, Provérbios, Eclesiastes, Eclesiástico e Sabedoria) e dois poéticos (Salmos e Cântico dos Cânticos), aqui serão englobados todos dentro do bloco sapiencial. Sapiencial vem de uma palavra latina sapientia, que significa sabedoria. Portanto, sapienciais seriam aqueles livros que trazem a experiência, a cultura, numa palavra, a sabedoria do povo de Israel.

A exemplo dos povos vizinhos, Israel também teve seus escritos sapienciais. Mais do que isso, a própria cultura de Israel foi influenciada pela cultura dos povos vizinhos. Muitos relatos bíblicos se assemelham a de outros povos. Com exceção dos Salmos, esses livros normalmente não recebem a mesma atenção que os outros, principalmente os proféticos e o Deuteronômio.

A literatura sapiencial normalmente fala das coisas da vida do dia a dia do povo e engloba a sabedoria popular (nascida do meio do povo) e a sabedoria culta (nascida na corte). Essa literatura não descreve apenas a cultura e a sabedoria de Israel, mas também sua espiritualidade. É uma literatura que floresceu principalmente no período pós-exílico, juntamente com algumas novelas bíblicas, como vimos ano passado.

Parte da literatura sapiencial é atribuída a Salomão, conhecido como patrono da sabedoria em Israel. Assim como a Moisés é atribuído o Pentateuco e os Salmos a Davi. Na verdade, Salomão pode ter escrito algo dessa literatura, mas não é toda dele e da sua corte.

Sabedoria não são somente os conhecimentos que adquirimos na escolha e nos livros. A sabedoria bíblica é vista como a arte de viver bem, transmitida de pai para filho. São instruções para o bem viver e um sinal de educação. “A sabedoria da pessoa sensata é discernir o seu próprio caminho” (Pr 14,8a). A verdadeira sabedoria é a arte de discernir entre o que promove a vida e o que a prejudica.

A sabedoria é uma experiência universal, não é exclusividade de um povo ou nação. A sabedoria é mais antiga que a Bíblia e o próprio povo de Israel. Sua origem se perde no tempo e no espaço. Ela é como fonte antiga de onde brota sempre água nova. No mundo bíblico, ela teve início na vida do povo. Ela é fonte da qual o povo descobriu as leis, que defendem a vida e ajudam a organizar as famílias e os clãs tribais.

nenhum comentário