Colunistas

Bíblia

14/12/2017

Livros Históricos 12. Ester

Por Nilo Luza

Indicar a um amigo:





Temos mais uma novelinha edificante. Há duas versões do livro de Ester: uma hebraica e outra grega. O livro em hebraico foi editado pelo final do período persa (em torno de 350 AC), não menciona Deus e também não traz lições piedosas. A versão grega foi ampliada em relação à hebraica e editada no final do segundo século AC. As bíblias da Paulus trazem as duas versões unidas, a versão grega apresenta os acréscimos em caracteres itálicos.

Temos aí mais uma novela protagonizada por uma mulher, Ester. Esse livro não entrou fácil no Cânon das Escrituras. Os judeus o inseriram somente o texto em hebraico em sua lista por ocasião da assembleia de Jâmnia, por volta do ano 90 DC.

A protagonista da história, Ester, e Mardoqueu são personagens influentes na corte do rei persa. Isso porém não tira seu caráter ficcional, contado com finalidades mais ou menos religiosas e expressando temas conhecidos da literatura sapiencial. As duas personagens são exemplos dos sábios íntegros do Antigo Testamento. A história de José parece ter influenciado o autor de Ester, ele apresenta Ester e Mardoqueu alcançando postos elevados numa terra estrangeira e usam esse poder para salvar o seu povo.

A edição em grego muda um pouco o foco da história original (hebraica), transferindo o papel heroico a Deus, não mais aos dois personagens, Ester e Mardoqueu. A intenção dos autores gregos é introduzir no texto comentários religiosos e devocionais, a partir das convicções religiosas, e dar-lhe uma perspectiva apocalíptica mediante o sonho de Mardoqueu.

O livro de Ester enfrenta os problemas do pós-exílio, a dificuldade em ser um judeu fiel em ambiente estrangeiro. Segundo o autor, os judeus não devem se isolar do mundo “pagão”, mas participar dos problemas da sociedade, valorizar o que de bom há nela e cooperar com aquilo que é possível.

O livro se destina principalmente às comunidades dos judeus deportados para o exílio na Babilônia e que não voltaram para a Palestina. Mardoqueu representa justamente os descendentes desses judeus. Os judeus da diáspora (dispersos) procuram ser “justos”, observando a lei de Deus, os mandamentos, em terras estrangeiras.

A protagonista Ester é mulher forte e corajosa que enfrenta o rei para libertar o povo. Isso constata que, em meio a uma sociedade patriarcal, vemos mulheres comprometidas em resgatar a própria dignidade e engajadas na luta em favor do povo. Ester salva seu povo do extermínio.

O livro serve como fundamentação teológica para a festa judaica dos Purim. É lido na sinagoga por ocasião da festa para comemorar a libertação dos judeus que viviam na Pérsia. Provavelmente o nome deriva da palavra “pur”, que significa “sorte”. Portanto, a festa dos Purim seria a “festa das sortes” ou “dia da sorte”.

nenhum comentário